Re:En² – Ashita no Joe Vol. 05-08

Sejam bem-vindos ao Re:En², o podcast mensal de mangás que é uma pura coragem autoral.


Neste programa, Judeu Ateu, Estranho, Luki e Nintakun  continuam com mais um projeto mensal de analisar 4 volumes de um mangá, desta vez com o clássico dos clássicos, Ashita no Joe.

Contato
Sugestões de pauta, sugestões de leitura, dúvidas, elogios, críticas, qualquer coisa! O email para contato é: contato@aoquadra.do

Feed | iTunes

Download (CLIQUE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE E ESCOLHA A OPÇÃO “SALVAR DESTINO COMO…” OU “SALVAR LINK COMO…”)

Amazon

8 comentários

  1. A parte de ninguém falar nada quando constroem em baixo da ponte, aquilo eram os anos 70 né, e aqui no Brasil que até hoje acontece isso com favelas em encostas e casas em volta de rios. A defesa civil vai na casa da pessoa falando pra ela sair pq o rio levou tudo e a casa vai cair e mesmo assim continuam porque não tem outro lugar pra ir.

  2. Que programa bom! Que manga ótimo! E este foi o melhor ponto de parada que poderia imaginar. Como aconteceu coisas até agora! Que personagens bons!
    O Rikiishi em poucas participações acaba sendo tão cativante e importante se entende o porque de tanta comoção.
    Bem, duas perguntas para vocês: 1- Vocês tem mais alguma recomendação para quem gostou de mangas mais clássicos? 2- Vocês recomendam Great Teacher Onizuka?

    • Olha, falando por mim mesmo, dependendo de que época tu considera “clássicos” (vou presumir aqui anos 60-70) acho que eu tenho umas dicas sim, se tu gostou de Ashita no Joe e quer conhecer coisas com peso histórico/qualidade semelhante.
      Rosa de Versalhes, Ryu no Michi, Lobo Solitário, Hi no Tori, Devilman, Drifting Classroom, Sangokushi. Obviamente tem mais, mas pensando rapidinho em alguns meio variados de autores importantes tem esses.

      E sobre GTO, eu não sei se o Estranho ou o Judeu já leram, mas eu e o Luki lemos e a gente gosta pra caralho. Eu pelo menos recomendo fortemente e inclusive recomendo Shounan Junai Gumi (a prequel) também, que é tão bom quanto. É um dos meus mangás favoritos, a propósito.

  3. Tive uma visão um pouco diferente do Rikishi, não vi o novo design dele ou a personalidade como algo digno de chamar de vilanesco e sim como um símbolo da determinação e miséria de um rival.
    Quanto ao sorriso dele, eu achava que era por deboche mas só durante o arco do reformatório, nesse ponto da história eu só sentia algo mais digno do que isso: felicidade por não ter mais que aturar mais o inferno depois dessa luta, uma máscara pra esconder sentimentos de vingança pelo sofrimento que Joe fez ele indiretamente passar, sensação sublime de confiança na própria força.

    Quanto as motivações do Rikishi, concordo com Judeu que até então achei exagerado ele se submeter a tanta coisa só por uma luta, porém fui convencido pelo outro argumento que o próprio personagem deu e que esqueceram de comentar no episódio: ele sentiu que o orgulho da academia Shiraki foi ferido quando Joe recusou a proposta deles. Somando-se isso às outras razões já comentadas eu pude comprar a motivação.

  4. Esses volumes foram os responsáveis para que eu percebesse que Ashita no Joe era algo especial.

    Gosto muito de várias escolhas que o mangá faz, sejam detalhes menores ou fatos de maior relevância, desde o ginásio ser embaixo de uma ponte e parecer todo apertado (até porque ele é), até o fato do Danpei e do Nishi precisarem trabalhar pra manter o ginásio. Gosto como a recusa do Joe à proposta do avô da Yoko faz todo sentido do mundo pra história, mas na vida real ela seria só insana, e isso que perpetua esse mangá até o final: decisões cheias de significado e muito bem justificadas na história, mas que na vida real seriam completamente impensadas.

    Outra dessas decisões é a forma como o Joe encontra de arranjar uma luta contra um cara de maior relevância, no caso o Wolf. Eu amo como esses 4 volumes são coerentes com cada um dos seus personagens, da forma como eles foram construídos ao longo dessa história até o momento, e como eles agem e reagem, como eles pensam, as obrigações que eles assumem, os erros, as decisões e os golpes de sorte. Tudo me soou MUITO orgânico, mesmo as decisões mais extremas de Joe e Rikishi, principalmente.

    A luta contra o Wolf e a preparação pra ela foram muito legais, acho a movimentação das lutas muito boas, mas o momento desses 4 volumes e a luta contra o Rikishi. Primeiramente porque ela é antecedida por momentos ótimos de preparação, o medo do Joe, a obsessão do Rikishi, o receio do Danpei, o hype dos repórteres, a expectativa da Yoko… tudo natural e bem trabalhado. Segundo, porque a luta é MUITO boa e carregada de significado. Foram 7,5 volumes que contaram muita história e poderiam ser um mangá inteiro só, fechado em 8. O Rikishi fazendo a pose do Joe é de arrepiar, é o momento que você sente que realmente fodeu tudo de vez. E terceiro, óbvio, porque a conclusão da luta e desses volumes é de um peso enorme pra tudo e todos. Pro Joe, pra Yoko, pros personagens de ambos os ginásios, pro mundo do boxe no mangá, pra história e pro amanhã que o Joe busca construir. Foi uma decisão muito corajosa e muito acertada dos autores.

    Por mais que haja uma coisinha aqui e ali que possa incomodar, e por mais que demore pra ler um volume desse mangá, Ashita no Joe entra no meu hall de mangás nota 10, tranquilamente.

  5. A arte de Ashita no Joe muda mt posteriormente, mts cenas sem balão com o Joe andando pelas ruas da cidade de noite. Eu curto particularmente a cena q ele está numa ponte e do nada começa a olhar pras maos e depois coça a cabeça sem parar, fazendo o pessoal q estava trafegando olhar pra ele curioso.
    A morte do Rikiishi deve ter sido a mais impactante q eu ja li em algum mangá, sei q é uma peça clichê ter um personagem q irá morrer e com isso atingirá mt fundo na vida do protagonista, as vzs até o faz amadurecer ou o faz ter sede de vingança ou até nao muda em nada, apesar de passar pelo choque (como o Luffy diante da morte do Ace). Mas a morte de Rikiishi, apesar de ter sido essa peça escolhida para o roteiro, foi totalmente inesperada por mim.
    Antes de sua morte, eu me lembro do seu treinamento de perder peso, o quão louco aquilo foi. Rikiishi magro foi uma das artes mais bonitas q eu já vi. A cena q ele está enclausurado na escuridão enquanto abraça suas pernas é mt assustadora. O Rikiishi fica mt assustador.
    Enfim, esse mangá é ótimo e eu amo demais a arte dele, eu adoro os quadrinhos sem balão, o Joe reflexivo. É um drama envolvente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.