Quadrinho ao Quadrado #1 – Cachalote

Sejam bem-vindos ao episódio #1 do Quadrinho ao Quadrado, o seu podcast mensal sobre quadrinhos nacionais.


Neste programa, Judeu Ateu Estranho fazem o primeiro episódio de seu podcast novo, o Quadrinho ao Quadrado, um programa cujo objetivo é analisar quadrinhos nacionais. Começamos então, mergulhando completamente em simbologias e altas teorias, com o excelente Cachalote de Daniel Galera e Rafael Coutinho. 

Contato
Sugestões de pauta, sugestões de leitura, dúvidas, elogios, críticas, qualquer coisa! O email para contato é: contato@aoquadra.do

Feed | iTunes

Download (CLIQUE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE E ESCOLHA A OPÇÃO “SALVAR DESTINO COMO…” OU “SALVAR LINK COMO…”)

Amazon

7 comentários

  1. Seria interessante chamar pessoas de fora do podcast de mangás de vocês pra este quadro, tipo a galera do Pipoca e nanquim.

  2. Gostei muito do programa embora eu tenha uma visão diferente sobre o cara das cordas e do significado da baleia na praia. Acho que o judeu esta certo sobre o significado geral de destruição. Ótimo programa.

  3. Só queria deixar constado que acho a iniciativa desse programa interessante pra caralho e só não estou respondendo com um comentário melhor que esse porque ainda não li Cachalote.

  4. Não tem nada a ver com o assunto discutido nesse cast, mas… alguma chance de rolar um “Consertando Shingeki no Kyojin” futuramente?

    (Por favor, sim)

  5. Poxa, até pensei em comprar Cachalote junto com Maus e Retalhos, mas quando vi que a HQ era uma coletânea de capítulos, acabei perdendo o interesse em comprar. Esses capítulos mais episodicos não fazem muito o meu estilo mesmo. Mas quem sabe um dia eu não sei tente dar uma outra chance.

    Paralelamente a isso, eu ja li Maus e Retalhos. Farei um slowpoke report mais detalhado quando conseguir um teclado que preste, mas já adianto que gostei muito da honestidade e da sensibilidade das duas histórias, além do criativo uso dos recursos que a mídia proporciona para representar cenas onde a imagem vale, de fato, mais que mil palavras.

    E, pra finalizar, achei Witches na banca de revistas da cidade. Ansioso para ler.

    pretendem: Vocês pretendem abrir um período para aceitarem textos (pra serem publicados no site) ?
    E quando irão fazer a camisa do Aoquadrado?

  6. Excelente programa! Demorei mas finalmente li Cachalote, e não sei quem que falou, mas a sensação de fato é: “não entendi muito bem, mas amei”.

    A história do casal divorciado é minha 2a favorita, perdendo apenas pro do rapaz sadomasô, e fiquei perplexo com a naturalidade do diálogo do casal, e me fazia constantemente a pergunta “como eles não deram certo?”. Eu vejo o final da história como o cachorro sendo o “relacionamento” e a filha como o “casal”, e como uma casualidade aleatória pode destruir algo puro e belo, sem explicação ou motivo algum.

    Sobre a minha história favorita, gosto de que apesar de ser um simbolismo meio óbvio, a delicadeza e sutileza da narrativa e dos conflitos apenas enaltecem ele. Eu acho que ela sabia que o protagonista praticava o lance das cordas, ela que aborda o assunto, e as mulheres o procuravam na loja sabendo disso. A respeito do fim, ele teve que ir até o seu limite, pois se não o fizesse, perderia a garota pra sempre.
    Acho que existe um lance de auto destruição da garota sim, assim como o de idealizar alguém por parte do rapaz, e claro, existe toda a dinâmica de um relacionamento sobre o quanto você deve se doar para o outro, concessões e sacrifícios a fazer, por fim, há esse conflito do sexo fetichizado que as vezes não consegue coexistir com alguém que você tem um relacionamento sério, mas apenas com estranhos.

    A história do escultor eu amei, mas tinham ficado algumas lacunas pra mim, mas a conversa de vocês acabou me ajudando a compreender melhor (não tinha sacado o fato dele já ter tido uma família antes). A história do Xu e do playboy não gostei tanto quanto as demais, mas ainda são acima da média.

    Sobre a idosa grávida? Pfff, não consegui pensar em nada não.

    Mas acho que dá pra interpretar a figura da baleia como a expressão do “elefante na sala”, porém elevado à enésima potência. Todos os personagens tinham conflitos e inseguranças mal resolvidos, coisas que estavam ali na vida deles e que eles resolviam ignorar ou que não tinham mais muita resolução, tal como uma…cachalote…encalhada…? Não sei hahaha

    De qualquer modo, Cachalote está entre minhas leituras favoritas do ano até o momento.

    • AH È!
      Tem o lance das imagens que abrem cada capítulo (ou parte) da HQ, e que mostram qe alguns daqueles personagens já tiveram um momento de alegria e/ou plenitude na vida deles. Fiquei decepcionado que a história não tinha 5 (ou 6) capítulos pra podermos te um vislumbre de cada um.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s