Mangá² #125 – Mangagrafia: Takehiko Inoue

Sejam bem-vindos ao episódio 125 do Mangá², o podcast semanal de pessoas cansadas.


Neste programa, Judeu Ateu, Estranho e Boxa retornam para mais um Mangagrafia! Nos programas dessa categoria, conversamos e opinamos sobre todas as obras de um determinado autor, bem como seu estilo, evolução, temática, e tudo mais que for relevante! Vocês podem conferir os outros programas do tema clicando aqui.

Desta vez, o autor escolhido é o semi-deus dos quadrinhos japoneses, Takehiko Inoue, autor de pelo menos três mangás já considerados obras-primas! Nos acompanhe enquanto falamos de suas obras excelentes (e das não-excelentes também). Ah, e sem nenhum spoiler, pode ouvir tranquilo caso não tenha lido nada do autor!

Contato
Sugestões de pauta, sugestões de leitura, dúvidas, elogios, críticas, Recomendação do Ouvinte em áudio, qualquer coisa! O email para contato é: contato@aoquadra.do

Links
Mangá² #108 – Slam Dunk – A Partida Final

Feed | iTunes

Cronologia do episódio
(00:00:17) Mangagrafia: Takehiko Inoue
(01:00:30) Leitura de Emails
(01:17:30) Recomendação da Semana – The Ancient Magus Bride

Download (CLIQUE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE E ESCOLHA A OPÇÃO “SALVAR DESTINO COMO…” OU “SALVAR LINK COMO…”)

10 comentários

  1. Só complementando quando vocês questionaram sobre o sucesso de Slam Dunk, além e toda qualidade da obra que vocês falaram, eu acho que o que deu um grande boom na obra mundialmente foi o “time” que a publicação teve com o a maior fase da NBA.
    A obra foi publicada de 1990 até 1996, em 6 anos de publicação tivemos em 5 anos Jordan como MVP e campeão da NBA, dando um show nas quadras e junto com toda uma geração que fez a NBA se internacionalizar mais que nunca. A liga foi expandida para Vancouver Toronto no Canadá, além de ter criado times na Flórida e em Charlotte. Tanto que nessa época a NBA passava na BAND e tinha álbum de figurinhas no brasil. Uma liga que nos anos 70 era vista como lugar de atletas drogados, se revitalizou internamente nos anos 80 com a disputa Magic Johnson x Larry Bird, nos anos 90 teve o boom da internacionalização e a figura do Jordan que atraiu o mundo e atualmente a liga vem se consolidando e tentando ganhar mais força nos mercados emergentes.
    Então acho que a obra acabou dando sorte de além de ser muito boa ter saído em um momento que o basquete estava muito em alta.
    O próprio Inoue usou muitas cenas da vida real de referências para as cenas do mangás, além de cada personagem e escola ser referência a um time e jogador da vida real, tudo isso para quem acompanhava na época deve ter sido um plus a mais bem legal também.
    Comparação das cenas reais com as inspiradas no mangá: http://www.fumettiweb.it/files/2009/08/03.jpg

    E deixou uma recomendação de game pro Judeu, pois acho que tem mais a cara dele, mas o Estranhow pode curtir também. O game Life is Strange, que apesar da limitação gráfica, tem uma narrativa e trilha sonora fantástica. O pessoal até brinca que o game é uma aula de como ser hipster. Mas é muito bom, vale a pena conferir.

  2. slow poke report li devilman e com certeza é um dos melhores mangás que já li,sem exagero ,não tenham preconceito pelo fato da obra ser da decada de 70 ,pois devilman é atemporal a historia funciona perfeitamente pros dias de hoje

    sobre o cast ,foi muito bom tirando o fato do judeu ter dado uma de pseudo intelectual de bosta

    infelizmente ainda não li nenhuma obra do inoue fora o one shot piercing apesar que vagabond,real e slam dunk estão não minha lista de leitura a muitos anos mas sempre acabo adiando por algum motivo

  3. 14 Anos,
    Ponta Grossa – Paraná

    Slowpoke Report: Adolf, Tetsu no Tenritsu, (dois mangás ótimos de um Tezuka mais adulto. Apreciei muito as representações metafóricas de ações, como representar um dos Adolfs como uma cobra negra e sombria “naquela cena”) Assassination Classroom (no volume 3 da Panini. Referências legais, algumas piadas engraçadas, mas não muita coisa)

    Sobre o programa: Agora posso ter certeza que sou pretensioso, porque o que Takehiko Inoue disse sobre deixar os personagens conduzirem a história, sem planejamento, foi o que eu quis expressar no e-mail que enviei aos senhores no podcast Roteiro – Planejamento, talvez “excessivamente poético” demais.

  4. Ouvi há pouco este podcast. Muito bom!

    Para tentar agregar algo, o livro Musashi do Eiji Yoshikawa não é considerado parte do cânone da literatura japonesa. É um livro de literatura popular, na falta de um termo melhor.

  5. Musashi é um romance folhetinesco japonês. Foi originalmente publicado em jornal, portanto ele tem, em sua estrutura, o espírito de uma novela – como os mangás. Como cada capítulo precisava ter uma isca para manter a curiosidade acesa e vender o jornal do dia seguinte, é uma obra bem adequada para a conversão do livro para o mangá. Yoshikawa está para o Japão como o Dumas está para a França, ele é respeitado como contador de histórias, mas não é colocado no mesmo panteão de Proust ou Balzac.

    O áudio instigou minha vontade de ler Real, vou ouvir os demais mangagrafias.

Deixe uma resposta para rafael dos santos tomas Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.