Mangá² #117 – Você, Mangás e o Tempo

Sejam bem-vindos ao episódio 117 do Mangá², o podcast semanal de mangás no qual o tempo passa o tempo todo.


Neste programa, Judeu Ateu e Estranho voltam os olhos para a pessoalidade do leitor de mangás, e fazem uma reflexão sobre nossa relação com os mangás ao longo do tempo, quais fases passamos e até onde chegamos. Por que muita gente se afasta dos mangás para nunca mais voltar? Esse podcast também é pra você, e pra você que parou de ouvir o Mangá² há tempos!

Contato
Sugestões de pauta, sugestões de leitura, dúvidas, elogios, críticas, Recomendação do Ouvinte em áudio, qualquer coisa! O email para contato é: contato@aoquadra.do

Podcasts Relacionados
Mangá² #68 – Vocês, Mangás e o Mundo
Mangá² #78 – Somos Multimidiáticos?

Feed | iTunes

Cronologia do episódio
(00:15) Você, Mangás e o Tempo
(37:30) Leitura de Emails
(53:00) Recomendação da Semana – Fragile and Tough

Download (CLIQUE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE E ESCOLHA A OPÇÃO “SALVAR DESTINO COMO…” OU “SALVAR LINK COMO…”)

57 Respostas para “Mangá² #117 – Você, Mangás e o Tempo

  1. Interessante a imagem de capa. Vão falar da fase hentai também? ShindoL? Leitura hardcore.

  2. Eu dei uma boa parada de comentar aqui no blog, porém escuto toda a semana o programa ainda, só que comentar as vezes cansa mesmo.

    Sobre essa parada de ser multimidiática, eu ainda sou bem ferrenho com HQs, leio bastante e tal. E as vezes tento fazer isso lá no EMD, que é recomendar algumas HQs para o pessoal. Sobre essa coisa de ter wishlist gigante, minha wishlist tem mais de 3000 mangás. Sobre essa coisa de esperar 10/10, eu acho que o problema de vocês é olhar para frente e não olhar para o passado. Temos MUITOS filtros, ainda mais para mangás, um deles é a própria aviabilidade de scans e tal, e outro é a própria barreira da língua. Depois de ler muitos mangás, eu comecei a procurar coisas antigas no que já foi lançado lá atrás, e acabou que achei MUITA coisa legal como Go Nagai, Ken Ishikawa, Shotaro Ishinomori e continuo a procurar assim.

    Acho que percebo muito em vocês é procurar nos lugares complicados e na época errada(shonen jump atual), quando tem muita coisa interessante antes (City Hunter). Nunca entendi muito o desejo de vocês de acompanharem o novo sucesso da SJ.

    Mas basicamente o que eu fiz foi uma grande procura no passado, eu ainda acho que tem muita coisa para queimar nessa fogueira, talvez eu não esteja tão saturado, pois comecei a ler apenas 5 anos e comecei com 20th Century Boys (estranhamente tive a fase dos haréms merda e shoujo meloso). Até hoje eu ainda pego alguns mangás que sei que vai ser uma merda, mas leio ainda assim, talvez pra me lembrar do que era bom ou não.

    Agora deixando uns Slowpoke report:
    Fullmetal Alchemist (Nunca tinha lido, achei OK, não GENIAAAAAAAL como o povo fala, gosto muito mais do anime de 2003).
    All You Need Is Kill
    Developers – Mobile Suit Gundam: Before the One Year War

    • Oche, acompanhar o novo sucesso da Jump não tem problema, principalmente se ele for bom. Problemático era a época que eu li TUDO de novo da Jump. Mas pegando só os sucessos (e filtrando, né, porque World Trigger não dá) recentemente deu pra pegar séries muito bacanas, como AssClass, Shokugeki no Soma e Haikyuu, que está excelente.

      Eu até tenho um backlog relativo de coisas mais antigas, mas a dificuldade é achar algo que seja 10/10 independente de relevar a época da obra. A última surpresa positiva que tive foi Ashita no Joe, mas tive várias decepções com Tezuka, por exemplo, não de ser ruim, mas de ser “bom para a época”.
      Mas sim, ainda tenho muito a olhar pra essa direção. Ainda preciso explorar o Go Nagai (li uma coisa dele só) e tenho certeza que irei curtir muita coisa do Ishonomori ainda (as que li, gostei).

  3. Antes de baixar o cast ja digo o que me manteve afastado dos mangas por anos: O mainstream e otacus.

    Depois de anos acompanhando você nota o quanto autores começam a se tornar extremamente preguiçosos e repetem a propria historia ou a de outros, ainda mais irritante levando essas historias a se extenderem por mais de uma decada, de puro massaveismo, explosões e cenas eroticas idiotas, as mesmas resoluções, as mesmas formas de narrar/desenhar e muitas vezes a falta de vergonha na cara de fazer um trabalho novo ao invês de criar um spin-off inutil.

    Quanto aos otacus é porque surgiu uma raça que decidiu que tudo feito no japão é lindo perfeito e genial, menosprezando todas as outros tipos de obras.

    • E antes de dizerem que eu estou generalizando otakus, basta lembra que ainda existe os que ameaçam pessoas com UM DEATH NOTE

  4. Uma recomendação de comics vai Hitman do Garth Ennis, conta sobre um pistoleiro de gotham de milionesima categoria que ganha uns poderes merdas (visão de raio-x e poder ouvir pensamentos) e acaba se envolvendo em todas as bizarrices tipicas de super-herois com direito a dinossauros viajantes do tempo, focas zumbis, demonios nazistas, papai noel radioativo etc.

  5. Poxa, eu to revendo o FMA (o primeiro) e to gostando, não falem mal não. E o lance do sequestro do trem também tinha no mangá.
    E é, também fiquei meio chateada com o segundo episódio de Death Parade e está temporada começou muito promissora. Acho que 2015 vai ser um ano bom para animes.
    Eu comecei a ver animes e mangás “seriamente” com FMA, aliás, mas o “shounen” que me levou para o meio mais intermediário foi D.Gray-man. Acho que o primeiro site que me fez ter contado com reviews foi o um que tinha uma lista enorme que os usuários enviavam (mas só de animes). Tinha umas pérolas como Elfen Lied com nota máxima e tal.
    Acho que nunca sofri de “ressaca” com nenhuma mídia, já que sempre variei bastante e leio/vejo qualquer coisa com bastante pausas.

    • Esse é o formato “clássico” do podcast, já foi concebido assim (por isso o ²). Mas vira e mexe trazemos convidados sim, como o próximo episódio será.

  6. Eu passei por essa fase hardcore do estranho tbm, eu li cada misero manga que fosse minimamente chamativo e eu digo que por um bom tempo fui um que saiu do mundo dos mangas.

    Eu comecei a ler mangas online e a comprar com naruto,bleach e fma na epoca do estouro de sucesso de naruto, mas chegou num momento que eu tava tao saturado daquilo que eu vendi todos os meus volumes de todas as coleçoes, naruto (ate o 35 acho, tinha acabado de começar o shippuden ate no brasil), bleach, fma, death note e um monte de outros, no total acho q tinha quase 200 volumes de mangas vendidos.

    Voltei a ler la no final de 2011 quando conheci o VQ, voces, o mangas cult e minha paixao foi reacendida.

    E acho q muito do publico de voces pode ser como eu, acompanho desde a primeira apariçao do kitsune, e raremente comento mas sempre baixo o cast porque mesmo que nao va escutar na semana sei que vou escutar em algum momento.

  7. Eu acho legal pessoas como vocês, não tão multimidiáticos mas que se aprofundam no conhecimento de uma mídia em específico. Acho que estou mais para o cara que conhece um pouco de tudo. Mas nem sempre fui assim. Aconteceu de eu explorar outras mídias numas semanas que fiquei sem internet. Foi uma benção a ausência da internet: redescobri um mundo que estava do meu lado mas ignorava. Livros, seriados, filmes (até brasileiros), HQs, desenhos animados estrangeiros etc (tinha tudo baixado mas ocupado demais com animes e mangás para dar atenção).

    Antigamente a mídia com que eu me envolvia era determinada pelo estado em que me encontrava na época. Já passei pela época dos games, jogos online, animes, depois migrei para os mangás e demorou um pouco até eu absorver tudo simultaneamente como faço agora.

    Hoje em dia até que estou deixando de lado mangás e animes por motivos pessoais e me focando em outras coisas. É aquilo, toda decisão na vida faz você deixar algo para trás. Comigo já foram os jogos, e agora, aos poucos, está sendo os animes e mangás.

    Esse hentai que o Judeu recomendou eu cheguei a ler um tempo atrás, mas não gostei muito (estava lendo por outra coisa na época…) e já que o Judeu recomendou um do ShindoL, também farei uma menção a outro do autor cujo deixou uma impressão grande em mim, que foi Emergence. Os hentais do ShindoL sempre têm uma pegada emocional e inconvencional, uns eventos e atmosfera, eu diria, doentias e inusitadas. Emergence conta a história de uma típica nerd solitária que com o desejo de ser uma garota normal acaba entrando no mundo da prostituição. O hentai dá ênfase aos quadros e páginas de sexo mas deve-se tomar atenção para os pensamentos da personagem no começo e principalmente nos diálogos. Há uns detalhes interessantes que apontam negativamente para o feminismo e ao papel da mulher na sociedade. É interessante pra enxergar os hentais com outros olhos.

  8. Eu ja tinha lido Dorohedoro e nem percebi a semelhança que vcs citaram, acho que é porque eu acho girafa um bixo muito exotico, foi por ser um animal não muito comum em uma situação como aquela que eu fiquei impressionado seila.

    Queria saber se vcs ja assistiram a série Black Mirror, acho que ela combina muito com o podcast, na forma em que vcs discutem as obras, fica ai sugestão pra um segunda pontencia.

  9. Um dos problemas que vejo é que as pessoas sempre buscam a próxima obra prima de suas vidas, perfeita e intocável que se aproxima daquela que algum dia eles já “conheceram”. Não que essa busca seja errada, mas se a obra te diverte e é interessante por si só não é necessário que ela seja a nova maravilha do mundo para que seja apreciada. Muitas pessoas deixam de ler o que lhes divertem alegando que aquilo não ira agregar nada em suas vidas e que não são mais crianças portanto não podem mais se divertir com esse tipo de coisa.
    Há e uma última pergunta:O anime antigo de Fullmetal é ruim por si só ou o manga que que é muito bom?
    E se tiverem com algum tempo recomendo lerem Fabulas e vocês esqueceram que trouxeram Necromancer ao “main stream”.

    • O anime antigo tem seu valor com final original. É recomendável (se tiver bastante interessante) que leia o mangá, veja o anime antigo e o Brotherhood.

          • Olha eu acho a historia dele bem fraca mesmo sem comparar com o mangá.

            Muitas das soluções que o roteiro traz pros personagens não fazem tanto sentido e nem são tão boas. É uma obra completamente diferente do mangá e do Brotherhood mas embora tenha gente que ache isso um problema eu só acho que o problema é que a historia se perde, oque acontece muito com animes com final diferente do mangá.

          • Exatamente, como o Bacalhau disse, o problema não é ser diferente, mas as escolhas dos produtores.

  10. Muito bom o podcast, serviu como uma luva em mim haha, parei de acompanhar há algum tempo, parei de acompanhar os podcasts pelo mesmo motivo de ter desenvolvido um certo desinteresse pela mídia mangá/anime. Concordo com tudo o que disseram, por isso mantenho as obras do Asano em uma pasta, caso algum dia eu queira matar a saudade.

  11. Também nunca senti estafado com mangás, talvez por ler bem espaçadamente.

    Sempre espero descobrir um novo mangá 10 de 10, seja antigo ou atual, porque um “bom mangá” para mim é um manga que me emociona ou traz uma nova perspectiva – desde que não me aborreça ou exija um estado mental apropriado, como os filmes do Tarkovsky – e mangá é uma mídia propícia a isso: é comercial e bastante autoral ao mesmo tempo. Enquanto deve ser lido em massa, também é exigido ‘a mão do autor’.

    Há também uma diversidade no tipo de pessoas que contam histórias em relação a outras mídias, e temos idéias e temas que não é possível (ou menos provável) de vermos em outro lugar. Por isso acho que sempre reservarei um tempo para lê-los e procurar coisa nova. Não espero encontrar um novo Maison Ikkoku, ou Ashita no Joe, ou Cross Game, ou Genshiken, ou Apollo’s Song, mas espero encontrar alguma pessoa fazendo algo diferente de tudo isso mas que gostarei igualmente! E que, quem sabe, me permita ser uma pessoa de visão mais ampla. Se ser nerd é assim, acho que não é tão ruim.

    É claro, é mais fácil para quem recebe recomendações de mangás ‘mastigadas’, haha.

    Por último, Wolf Children é excelente mesmo. Chorei durante o filme inteiro. 😛 Me lembrou alguns filmes do Ozu, mas muito mais comercial (no bom sentido: de acessível). Como quem além de mangás gosta de filmes japoneses, gosto muito quando há algum diálogo entre as duas tradições. Grande Mamoru Hosoda! Procurarei o podcast sobre o filme depois!

    No mais, valeu!

      • Nenhum, Julio. Acho que me expressei mal. Comentei isso para justificar porque nunca fiquei ‘cansado’ de mangá.

  12. Como quem conheceu o mangá update essa semana, foi muito engraçado ver vocês comentando sobre as exatas coisas que eu fiz, hahaha.

  13. Parei de ler manga nos últimos meses porem uso o Reddit r/manga para procurar recomendações de mangas.

  14. Ah, a fucking wish list… O lugar onde está as obras que vc quer ler, mas nunca lê o que tem nela.

    Na maior inocência, você manda algum manga que encontrou no mangaupdates e achou interessante para esse limbo, mas acaba nunca abrindo a lista quando está procurando um manga para ler. Em vez diss, você pega uma recomendação de alguém e manda direto para a reading list. Pelo menos comigo é assim.

    Se bem que, ultimamente o caos está mais presente na reading list mesmo. Começo a ler alguma coisa sem terminar de ler outra, esqueço de acompanhar os lançamentos semanais/mensais e aí ficam aquelas notificações em vermelho me dizendo: Seu puto!
    KkkkkKkkkkkkk

  15. Ótimo poscast. Tenho escutado vários dos podcasts de vocês desde o fim do ano passado e fiquei muito feliz com tudo o que encontrei. Sobre o tema, às vezes eu penso que isso seria mais parte da preguiça, no meu caso. Eu adorei o primeiro volume de 20th Century Boys mas nunca emendei de continuar lendo, assim como assisti alucinado até o capítulo 20 do mangá de Monster e a parei por um motivo que eu ainda não sei, prometendo até hoje voltar a ler qualquer um desses títulos.

    Quanto a um mangá que talvez eu vá me decepcionar quando revê-lo no futuro, eu cito o exemplo de Naruto, apesar de eu me decepcionar com ele no presente kkkkkk Um que vai decepcionar muito as pessoas também vai ser Gantz, que muita gente leu pensando ser algo incrivelmente profundo e adulto e depois se dá conta na parada que aquilo realmente era.

    E pra recomendar hentais eu recomendo um dos mais divertidos que eu já li que foi o My Balls. Abraços!

  16. Passamos por fases, nossos interesses mudam como as estações. As vezes se tornam vinho, as vezes apenas uvas podres ao chão. Mais frequentemente indiferença.
    Apenas tentamos justificar e nos justificar porque necessitamos demasiado de explicações.

  17. Eu não entendi muito bem isso, mas vamos ver:

    Slowpoke report: Kurosawa Onani Master. Definitivamente uma leitura divertida e que lhe prende. Mas tenho a impressão que o que foi feito aqui já foi feito melhor em outros mangás. Sobre pessoas jovens com problemas de socialização e que lentamente conseguem se abrir, penso especificamente em Welcome to NHK! e no anime Tatami Galaxy. Sobre um personagem “apanhador no campo de centeio”, como o próprio mangá diz, penso em Yahari Ore [insira o resto do nome enorme], light novel mal escrita como todas, mas que teve uma adaptação em anime recentemente, e que descreve melhor o sentimento de desconexão enquanto jovem que é familiar a muitos. Também tem uma adaptação em mangá, mas acho que não existe scans.

    Novamente, bom mangá, leitura agradável, mas não é 10 de 10.

  18. Foi um bom programa sobre a visão de uma forma geral em cima das mídias não só de mangá, mas de games, cinemas animação e etc. Eu mesmo sou um amante de MMOs mas me pego em uma situação em que não estou com nenhuma vontade de jogar nenhum MMO. Claro que essa minha chama, essa vontade voltou a acender devido ao anuncio de Tree of Savior! Um Mmo criado pelo mestre dos MMOs Hakkyu Kim, criador e mestre por trás do maior MMO que já existiu na face da terra e claro praticamente irmão de Lee Myung-Jin do criador o oficial da história que ajudou no tema do seu MMO, O Grandioso Ragnarok! Realmente um bom tema, embora eu sinta uma certa falta do outras pessoas com opiniões adversas nesse tipo de assunto.

    E Pra fechar meu comentário no blog do mangá ao quadrado, no caso do meu Slowpoke report (como muitas pessoas já opinaram sobre os animes dessa temporada em específico e não me recomendaram muitos mangás para ler vou por games mesmo) Eu voltei a jogar Persona 3 Fes e joguei recentemente uma visual novel pornô chamada Monster Girl Quest, eu recomendo o Persona 3 Fes (Ps2) pelo fato de que a empresa que desenvolveu o game (Atlus) não ligar muito para religião! Ela zoa religião de uma forma honesta em seus games, usando as mitologias e religiões como uma forma de plot-point pro seus games, só que no caso do Persona 3 (que usa mais a mitologia grega como base) a história dele está muito ligada a um sentimento que nós humanos já tivemos mas nunca em excesso que é a apatia, e também usando a mitologia grega para simbolizar isso, tal como o fato de que a única dugeon do game inteiro se chama tartarus. O caso é, o roteiro e a trilha sonora é do mestre Shoji meguro, fica aqui recomendado para quem quer algo bem profundo no mundos games, já MGQ é um caso mais pra quem quer um roteiro bem simples porem muito bem desenvolvido, foi criado pela Torotoro resistance (empresa de visual novel nova no mercado) que começou muito bem já mandando uma trilogia de games que na minha opinião o roteiro pode não ser lá essas coisas, mas o desenvolvimento do mesmo, o jeito como o mundo da história é desenvolvido, o jogo é muito bom e bem desenvolvido valeria a pena dar uma olhadinha.

    O.B.S – Judeu, obra do ShindoL? Ele é doente meu, ele é doente é só procurar pelo trabalho mais doido dele que foi o Cultural Anthropology, e sem contar que ele gosta de fazer trabalhos com pessoas com certo problemas físicos, se vocês procurarem por Sarashi Ai, tem uma garota que é paraplégica e ele desenvolve um romance tão bonito dela com o garoto que cuida dela todos os dias, é algo muito belo, mas ele é doente, muito doente, fica aqui uma recomendação minha do ShindoL também (essa é pra você terminar de ler Fragile and Tough, e o da menina paraplégica com um sorriso, e quando for esse tomar um murro de abrir o estômago que é algo que o ShindoL adora fazer com os personagens dele) leiam A Dairy Cow’s Life, isso é ShindoL no seu máximo, é bom vão por mim, mas é muito, mas muito depressivo, e eu não sei se eu posso postar links aqui, mas se vocês procurarem pelo Site Doujin-moe.us lá eles tem toda a galeria do A Dairy Cow’s Life e sem contar que esse mesmo mangá do ShindoL faz parte do volume de histórias que ele faz separadas do Fragile and Tough, ou seja Fragile and Tough são do mesmo volule que A Dairy Cow’s Life… (Cuidado ShindoL mecheu com Tiger and Bunny e Yotsubato)

  19. Eu sou um dos que parou de comentar, mas não é porque vocês são chatos, e sim por falta de tempo mesmo kkk Na verdade vocês são interessantes a ponto que não ando lendo muitos mangás ultimamente (tempo de novo) mas não perco 1 programa dos senhores, talvez só os enquadrados de obras que não terminei de ler.

    Concordo com os estágios de leitor que vocês comentaram, acho que nunca passei para o último deles com mangás, o qual pode ser chamado de entusiasta ao meu ver kkk, não sou muito daqueles que busca nos confins do mundo por algo novo que é foda e saio recomendando para os outros, leio mais aquilo que pessoas com opiniões as quais acho válidas me recomendam, no caso vocês são algumas dessas pessoas kkk…

    Sobre as pessoas largarem mangás por um tempo (ou para sempre), eu acho que isso ocorra por 2 motivos. Primeiramente, mangás (e todos os quadrinhos em si) são uma mídia que não possui o prestigio e reconhecimento que o cinema e a música tem, todas as pessoas que conheço veem filmes e ouvem música, mas nem todas são leitoras de quadrinhos, assim fica mais comum em nosso dia a dia querermos ver o que nossos conhecidos assistem primeiro para podermos comentar juntos. Uma boa dica que ouvi para contornar isso é de quando for dar um presente para alguém, de um quadrinho que você acha que a pessoa vai gostar, assim você introduz ela no meio aos poucos. O segundo motivo é o fator tempo, enquanto um filme é assistido em duas, no máximo três horas, uma série de mangás leva vários dias em média para ser lida, isso levando em conta que ela já foi finalizada, assim é muito mais fácil na correria do dia a dia você ver um filme quando tem tempo livre do que ler um mangá.

    Acho que é isso amigos, um abraço.

  20. Ok, já que o Judeu quebrou barreiras recomendando um hentai, não quero que isso vire um padrão mas eu deixarei um outro aqui que eu acho que exprime de uma melhor forma tudo o que o Judeu falou sobre o que tem diferente nesta forma de arte: https://www.mangaupdates.com/series.html?id=18745
    Podem ler com ou sem o pau na mão, é proveitoso da mesma forma. Não vou dar muitos detalhes do que tem de bom no mangá, porque acho mais legal você ir se surpreendendo com as coisas a medida que vai lendo. Ainda mais pelo rótulo de hentai, e tudo que se espera de um, vai ser uma experiência bacana. Sim, a média não é loucura dos usuários. É bom mesmo.

  21. Esse foi um cast filosófico, meio depressivo até, e por isso mesmo excelente. É um programa que reflete bem aquilo que eu acredito ser a essência do mangá². Os outros programas são igualmente bons, mas o que me comprou mesmo foram essas “viagens” de vocês.

    Em relação aos mangás eu me considero um nível acima do leitor casual, mas a baixo do nível de maratonista sem freios. Mas muito do que vocês falaram eu posso aplicar ao mundo dos animes (que de certo modo está mais perto da maioria dos mangás do que as HQs). Nessa mídia eu ainda me considero na fase de aprofundamento geral com direito a wish list ignorada, mas muitas vezes me bate uma depressão de que eu esteja perto de esgotar a mídia e eu me sinto triste por isso. Mas lendo um mangá, vendo um filme, jogando algum jogo, enfim, dando um tempo, essa sensação logo passa. Acho que a solução é essa mesma, mesmo se afastando um pouco, mesmo parando, não esquecer aquela mídia que te marcou.

    Só discordo em relação à constante busca por outros 10/10. Claro que a experiência de absorver uma obra 10/10 é insuperável, mas se eu esperava encontrar uma obra boa ou até mesmo mais ou menos e encontro uma obra boa fico satisfeito com isso. Talvez esse seja o estágio final de um usuário de uma mídia, quando você se contenta com o bom, mas sem nunca deixar de ter esperança de achar algo fantástico.

    Ouso até a pensar que talvez esse seja o estágio máximo de amadurecimento na vida. Não deve ser essa a expectativa de um idoso? Alguém que já viveu muitos anos e já experimentou as mais fortes emoções espera o que do futuro além de momentos no máximo bons? Com a diferença que nesse caso não dá pra dar um tempo, não tem como pausar a vida. São pensamentos de uma pessoa de 17 anos, mas não penso estar muito longe da verdade.

    Enfim, vou parar de viajar aqui e e encerrar o comentário parabenizando novamente o mangá².

  22. Vocês são uns chatos, e eu sou um estrambólico.

    A maneira como entrei nesse “mundo”, comecei e também como segui por ele é bem diferente da que vocês descreveram. Claro que isso não quer dizer necessariamente nada, mas. Por exemplo, quando leio um manga ou assisto um filme, quando degusto qualquer tipo de obra não estou em busca de um 10 de 10. E a despeito da experiencia que eu procuro não ter nada a ver com o potencial máximo que a mídia pode me oferecer, também não acho que isso seja algo tão importante pra grande maioria das pessoas.

    Esse foi mais um daqueles programas que nossos pensamentos foram por caminhos totalmente diferentes, não exatamente opostos. É onde entra o vocês chato e o eu estrambólico. Suas ideias são “sérias e profundas” demais pro mainstream, meu jeito de ver as coisas é muito bizarro e não vale pros outros.

    Não me parece que nem o seu caso e nem o meu são relevantes pro publico em geral, isso é. O que provavelmente mais faz as pessoas se afastarem dos mangás não é a experiencia delas com a mídia em si, não que isso não seja importante ou o ponto em que concentraram seu debate. Mas tem muito mais a ver com o crescimento das pessoas.

    Isso não implica que quadrinho seja infantil, mas no processo de desenvolvimento desse pessoal isso acabou ficando de lado. Acho que vale aquela minha comparação rock x mangá de novo. Quantos adolescentes que se identificavam tanto e que encontraram nesse estilo musical um jeito de se expressar e se auto descobrir levaram isso adiante pra suas vidas? Ou então viver do rock, ou como muitos que fazem do esporte também um estilo de vida, é coisa de criança que não consegue evoluir?

    A gente cresce e muitos poucos conseguem realizar seus sonhos, jã são poucos os que sequer tem um. E conforme as responsabilidades vão se acumulando “pedaços” do nosso eu vão escapando por entre nossos dedos. Impossível dissociar nosso amadurecimento pessoal a nossa trajetória com os mangás.

    Minha experiencia de vida impacta diretamente no meu aproveitamento de uma obra, e quanto mais velho mais bagagem tenho pra acrescentar. Se isso é bom ou ruim é uma coisa extremamente pessoal. Pra alguns a mídia pode não ter mais nada a oferecer, pelo menos pra mim ainda está muito longe de se esgotar.

    Lembro de ter comentado certa vez, aqui mesmo se não me engano, de como era bom poder ler um slice of life depois de um dia duro e cansativo de trabalho. Este é um tipo de experiencia nova, que eu não podia ter antes, é um outro jeito de ler quadrinhos.

    As vezes nossa frustração com o mangá é causada por nossas próprias expectativas, mesma coisa quanto ao saturamento dos vícios da cultura japonesa. Como vocês comentaram, saber quando buscar novos horizontes e saber que isso não significa ter que abandonar os antigos é algo a se pensar.

    O tempo passa, a gente cresce, amadurece e envelhece. O jeito como olhamos pra nós mesmo e pro mundo a nossa volta muda, mas ainda são nossos próprios olhos.

  23. Ah, esqueci de comentar, tava fazendo um backup pro meu hd externo, e descobri que tem uns 7gb de mangá² aqui! Enfim… eu vou me mudar pra Santa Catarina, numa cidade próxima de Joinville, se alguém souber de um bom lugar pra comprar mangás por la, por favor.

  24. Um aspecto da fase hardcore que me faz falta é a sensação de estar desbravando um mundo novo. Não tinha mangaupdates pra ordenar por média, não tinha trocentas tags, não tinha opiniões de terceiros, era uma era de pura desinformação. Você ia pro mangá de forma pura, sem saber o que esperar. E escolhia o que ia ler de forma pura também, abria a lista de mangás do onemanga e lia qualquer coisa que achasse o nome legal e a capa chamativa (quem faz isso hoje em dia?). Não tinha a recomendação do amigo, você não tinha ideia que tipo de história ia sair dali. Ler vinte mangás pra encontrar por sorte uma joia rara no meio daquilo, essa sensação era maravilhosa. Hoje em dia com tanta informação, e também por conhecer muito bem o meu gosto, dificilmente eu erro um tiro, mas ainda assim essa época garimpeira me faz falta, eu sinto que nunca mais vou me surpreender com um mangá como naquela época.

    E eu leio um mangá esperando que seja só um 6/10, mesmo tendo vários potenciais 10/10 na minha wishlist. Me julguem. Acho que a tal busca pelo próximo 10/10 não é o pensamento mais saudável para se aproveitar a mídia. 6/10 são legais também, povo. Sem discriminação.

    • “(…) abria a lista de mangás do onemanga e lia qualquer coisa que achasse o nome legal e a capa chamativa (quem faz isso hoje em dia?)”

      Um dos meus costumes mais antigos e que ainda mantenho (em menor intensidade hoje, mas ainda existe) é ficar de olho no tópico de capas do MangaHelpers e, quando vejo uma capa que me chama atenção, jogo o mangá numa Wish List (ou, o que é mais comum, uma Waiting Scans List). Já tive boas decepções, mas não duvido que achei algumas coisas boas nisso.

  25. finalmente hentai!!!!
    mas começaram com um hentai bem peculiar,o shindou L tem o costume de fazer uns negocios diferentes nos hentais dele
    e eu recomendo o hentai blush dc ,um hentai que conta a historia de uma garota que tem que se prostituir pra poder pagar a faculdade

  26. Fica uma pergunta aqui(espero que vocês respondam): Vocês já receberam uma fanfic yaoi envolvendo uma relação entre vocês dois(Estranhow e Judeu Ateu)?

  27. slow poke report
    terminei de ler uzumaki ,e de certo modo gostei mas o final me deixa uma sensação

    comecei a ler kokou no hito e estou adorando ,me da ate vontade de escalar uma montanha de verdade,meu unico problema é que parece que o ritmo da historia é meio acelerado ao meu ver

  28. Acho que desde que me lembro, sempre acompanhei mangás e animes. Claro, não colecionava freneticamente (até porque eu era bem novo), mas nunca parei de ler os volumes do Dragon Ball e do CDZ, da Conrad, que eu comprava. Animes o mesmo; desde criança fui acompanhando os que passavam na TV, e nunca ficando muito tempo sem conferir novidades. Passei por Dragon Ball, pelo retorno de CDZ, pela estreia de FMA e HxH na RedeTV, e na época em que entrei no “mundo das internets” Naruto estava no auge.

    Até agora não enjoei tanto das mídias, mas, ultimamente venho reparado que o ritmo dos animes não condiz mais com o meu. Não consigo mais assistir 35 episódios em um domingo, por exemplo. Então acompanhar mangás está sendo mais prazeroso, algumas vezes. Talvez esse seja um dos efeitos do “passar do tempo”; você vai se adequando a outras mídias de acordo com suas vontades e necessidades. Porém, como eu já citei uma vez, o fato de eu ter que imaginar a movimentação, as vozes e, certas vezes, até a trilha sonora, em mangás, ainda é algo que me incomoda; portanto, sempre que quero ver algo de ação procuro primeiro em anime.

    Outra coisa é que os shounens mais “convencionais” não me atraem tanto quanto antigamente. É necessário que haja realmente um diferencial que me impulsione a acompanhar aquilo, senão não consigo. Reborn, por exemplo, seria algo que eu adoraria se visse há uns 5~7 anos, mas como vi ano retrasado, achei uma obra bem meh. Tenho achado bem mais interessante acompanhar coisas mais sérias e que não apresentam um ritmo tão frenético, como Monster e 20th Century Boys. E como não conferi tantas coisas assim, ainda consigo achar obras 10/10 de vez em quando. Ping Pong, mesmo, que foi lançado ano passado, é um anime que considero 10/10.

    Apesar de tudo isso, ainda não consigo me desconectar de coisas antigas que já li. Os, já citados, Dragon Ball e Cavaleiros do Zodíaco são obras que adoro ler e assistir até hoje, mesmo eu dando risada de vários defeitos que ambos (principalmente o segundo) apresentam.

    Ah, e Estranho, no programa nº 115 você se questionou de onde tá vindo essa galera pedindo o mangá de Zatch Bell. Minha teoria é que a criançada, que acompanhou o anime na Globo em 2007, agora, que cresceu, passou a consumir mangás e a conhecer melhor as editoras; logo, estão pedindo um título que, para eles, deve ser bem nostálgico e divertido.
    E, Judeu, pô, o 1º anime de Fullmetal é ótimo. A história é bem diferente, mas, ainda assim, consegue ser boa pra caramba xD

  29. Acho que um dos motivos para pessoas ficarem sem postar ou até mesmo parar de ler mangás é o fator tempo, ler mangás com um conteúdo diferenciado demanda tempo que quando a pessoa cresce e tem mais responsabilidades fica mais difícil de achar. Isso se relaciona também com a motivação que as pessoas leem mangás, eu faço isso pois pretendo a voltar a desenhar um dia e vejo os mangás apara analisar sua arte e narrativa e discuti-las com outros internet afora, outras pessoas veem mangás apenas como um passatempo e essas pessoas largam com mais facilidade com o tempo. O fator tempo influencia também com scanlators que fecham como por exemplo o Shin Sekai, que eles fecharam pois os membros não poderiam se dedicar mais ao site por motivos desse tipo. Assim, se soma a outro motivo que a pessoa pensa que ela já viu o suficiente daquela mídia, tudo bem que existe uma infinidade de mangás e comics bons que não conhecemos, mas ainda sim pode existir o pensamento que nada mais irá surpreender e trazer uma experiência de leitura mágica, como podemos dizer. No meu caso, o mangá que mais me trouxe essa experiência que me levou a embarcar no mundo dos mangás de vez foram o one-shot Hotel e Island, junto com aquela lista de one-shots daquele antigo post do Mangás Undergrounds. No lado dos animes, eu voltei a assistir regularmente com o ótimo Steins; Gate, logo em seguida vi Code Geass (o anime que o Judeu ama, rs) e o Clannad, que me fez ira atrás de obras do Inio Asano para ver algo tão triste como Clannad e Naoki Urasawa para ver algo que trouxesse tanta adrenalina com o suspense como Steins; Gante, consegui isso com 20th Century Boys. Até hoje poucos animes me marcaram tanto como esses dois que citei acima e que me fizeram a ir atrás desses mangás.

    As vezes atraso comentários ou fico semanas sem postar por falta de tempo, mas eu ainda pretendo enviar mais recomendações e me recomendar coisas também, eu tirei muitas coisas boas ranqueando as obras por nota e gênero no MangaUpdates e pretendo mais a frente fazer um post no meu blog sobre o MangaUpdates. Duas obras muito boas que vi recentemente foi a Saga do Tio Patinhas do Don Rosa que é a história mais madura feita dentro do universo Disney junto com Paperinik e a webtoon Cheese in the Trap, um manhwa de um romance universitário com uma narrativa fora de série.

    OBS: Acho que eu meio que queria ver uma opinião do Estranho sobre Holyland após dar uma chance para sua leitura, não sei o que fez o Judeu desgostar desse mangá, no meu caso o que mais atrapalhou foi a arte pois esse mangá merecia uma arte bem melhor e nesse caso a arte foi muito caída para a história. Um dia dou uma olhada nesse Over Bleed.

  30. Olá,
    meu sumiço aqui se deve a problemas como, ora falta computador, ora falta internet, ora falta tempo.
    Hoje quando comento, o que me falta é dinheiro e um emprego. Enfim, vida adulta, bem sabem.

    Sobre as fases como leitor, concordo com vocês, tem hora que ficamos saturados mesmo, e o motivo de eu continuar na midia me lembra aquele episódio, porque manga, e digo que é a mídia que ainda tem muita coisa para eu descobrir, seja por escavação, seja por novidades que vez ou outra ouço falar (tipo o novo gibi da Bagirl que dizem tá sendo bem diferente do padrão) e coisa ainda para ser feita (ainda espero personagens travestis e transsexuais relevantes e não esteriotipados).
    Contudo ouso dizer que o tempo o envelhecimento na midia (não da midia, e sim, na) produz sequelas, tem aquele momento que notamos que nunca iremos ler tudo de relevante e chutamos o balde do arqueologia de quadrinhos (mesmo sabendo que tem algumas preciosidades perdidas ali, e algumas delas verdadeiras Hidden Gems), falando de Hidden Gems, é ruim viver só de recomendação, pois á teve muita coisa desconhecida que amei, fora o coisas que todo mundo odeia, mas me agradaram (linko aqui com o programa Mangas Ruins, de vocês, e o clássico “eu gosto desta merda 1 e 2, do Argcast, afinal tem tosqueira que mesmo que estejamos ciente que ruim, gostamos assim mesmo).
    Mas eu acho que a sequela maior do envelhecimeno na mídia se chama: falta de paciencia. Abrimos o primeiro o volume de Magi e queremos logo no primeir volume saber porque aquilo é bom, folheamos um capítulo de Hokuto no Ken jogamos para o lado e queremos saber logo, sem paciencia de esperar para descobrir, porque aquilo é clássico e assim vai.
    Fora o momento que achamos que tudo é mais de mesmo, achamos que já sabemos de tudo, e que tudo dentro de genero é igual. Digo que é neste momento que cismamos de ler “coisas diferentes” independete da qualidade.
    à proposito, estou a procura de yaois de Hokuto no Ken, por hora só achei isto:
    http://www.bonanza.com/items/like/104148333/FIST-OF-NORTH-STAR-HOKUTO-NO-KEN-yaoi-doujinshi-THE-WILDBOYS-106p-Ken-X-Rei-1986

    Então, acarmar um pouco e ter paciencia é necessário.

  31. Pingback: Mangá² #129 – Você, Mangás e a Vida | AoQuadrado²·

  32. Pingback: Mangá² #139 – Você, Mangás e os Fãs | AoQuadrado²·

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s