Mangá² #58 – Personagens Secundários

Sejam novamente bem vindo ao episódio Patrick do Mangá², o podcast que não é protagonista na sua vida.

No episódio desta semana, continuamos nossas conversas sobre Personagens, iniciado no podcast sobre Protagonistas e continuado no podcast Antagonistas. Desta vez, falamos sobre os relegados personagens secundários! Ouça-nos tentar definir como se classifica um personagem secundário, veja-nos no alto de nossa petulância tentando inventar termos novos, e tentando quantificar o quão importante é para os enredos desenvolver esses personagens secundários!

Na recomendação da semana, o Judeu faz o de praxe (copiar a ideia da recomendação do Estranho da semana anterior) e recomenda um heist mangá de comédia e de putaria (?).

E fiquem atentos que há anúncio do próximo Mangá Enquadrado no começo da leitura de emails!

Contato

O seu contato é muito importante pra nós! Queremos sempre a sua participação comentando os episódios, enviando sugestões de pauta, sugestões de leitura, dúvidas, elogios e críticas, qualquer coisa!

O email para contato é: mangaaoquadrado@gmail.com

E lembre-se de encaminhar seu arquivo .mp3 com uma gravação de sua própria Recomendação do Ouvinte, que será incluída a cada 5 episódios!

Links Comentados

Kayrru’s World

Links enviados pelo Zé:
Quadrinhos do Zac Gorman: Um e Dois
Soul Reaper
Quadrinho que segue o scroll

Cronologia do episódio

(00:30) Discussão Semanal – Personagens Secundários

(35:05) Leitura de Emails

(53:35) Recomendação da Semana – Prison School

Download (CLIQUE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE E ESCOLHA A OPÇÃO “SALVAR DESTINO COMO…” OU “SALVAR LINK COMO…”)

19 Respostas para “Mangá² #58 – Personagens Secundários

  1. Aproveitando os vários nomes para poder propriamente classificar os secundários, em histórias seriadas, os americanos ainda usam o termo “recurring character” para se referir a personagens que aparecem em mais de um episódio, ou seja é mais que uma participação especial ou uma ponta, mas não aparece o bastante para ser um “dos protagonistas”, então é um tipo de secundário em especial.

  2. Alias em mangás que separam personagens em grupo, é inevitável fazer a classificação de grupos protagonistas.

    Em One Piece, é indiscutível que o Luffy é o protagonista, mas quando analisamos todas as organizações e grupos do mangá, os Mugiwaras são os protagonistas. O que torna hierarquicamente o Brooke mais protagonista que o Buggy por exemplo, que se bobear apareceu mais que o Brooke. É o caso do “time do bem”. Os cinco cavaleiros de bronze são protagonistas, mas o Seya é uma espécie de “mais protagonista que os protagonistas.”

    Ao mesmo tempo, é visivel que a Mugiwara tem uma hierarquia interna de importância, onde os cinco Mugiwaras do East Blue soam como mais protagonistas do que os Mugiwaras que entraram na Grand Line.

    Dá uma boa análise pensar nessas coisas. Mas no final, sempre que dividir o elenco em “times” ou “grupos” ou “turmas”, vai ter uma turma protagonista e nela é separada a linha que separa personagens que podem ser usados como um ícone representando a série inteira e personagens que não podem….

    Um bom ponto que você levantou com os mediários. Uma boa definição.

  3. Quem se interessou pelo mangá indicado do Judeu, do mesmo autor, recomendo que leiam Me and the Devil Blues, que é ótimo.

  4. Sobre o assunto: Sempre tinha pensando em “personagens secundários” todos aqueles que não fazem parte do grupinho principal( exemplo : Mugiwaras seriam todos principais) ou dos vilõezinhos ( exemplo: Membros da Akatsuki não seriam secundários), mas nessa definição de mediários fica realmente melhor de categorizar os personagens.

    Sobre Gourmet, It’s not my fault e Blame: Gourmet eu li, comprei na última promoção da comix online, e realmente é um ótimo mangá, tem um lugar já especial na minha estante. Já It’s not my fault, já lia antes de começar a escutar o cast, por isso não falei em nenhum dos meus Slowpokes. E Blame! eu ainda não li porque to enrolando com Biomega a mais de um mês, e pra não fazer justamente o tipo de leitura que vocês comentaram no último cast, deixei pra ler depois.

  5. Eu já li Prinson School (só o começo). É muito hilário, acho que é o único ecchi que leio (tem um harem também, mas acho que não conta). É um bom exemplo de como um traço interfere diretamente na experiencia da leitura. Já vi gente falando mal do mangá pelo apelo, mas é bem feito.
    Sakamoto desu ka? Eu já li um tempo atrás, na hora eu não me toquei que era uma comédia mas depois consegui aproveitar a leitura. Enfim, são todos boas comédias.
    Eu tinha lido o começo de Tsugaku Letra e gostei. Só vou demorar um pouco para alcançar os atuais porque ando dando prioridade a mangás maiores. Eu gosto bastante da arte da autora.
    Podem me dar o link do baka-update mangá que vocês vão comentar?

  6. Na minha cabeça sempre tive certos tipos de “categorias” de personagem na cabeça, mas nunca cheguei a classificar. E esse negócio de personagem mediario é bem acertado mesmo, parece até que era um termo que tava faltando.

    Acho q todo mundo nota isso, afinal todo mundo sabe quem são os principais, mas todo mundo sabe também quem é o mais principal de todos, principalmente em mangás shonen.
    Nas categorias da minha cabeça tem os figurantes (que não fazem nada), os secundários (que não aparecem tanto mas são recorrentes ou pelo menos tem a personalidade definida), os principais menores (que seriam os mediarios) e o principal principal (não precisa de explicação e de bônus é um termo horrível repetindo a mesma palavra duas vezes).
    Não sei direito se existe terciário, ou que diferença ele teria de um figurante…
    Também dava pra fazer uma lista maior se tivesse mais detalhes nos tipos, mas aí ia acabar gigante.

    Falando nisso, acho muito difícil em mangás shonen achar um que tenha vários principais com mais ou menos o mesmo peso na história, sempre acaba tendo um q se destaca muito mais. Para falar a verdade nunca vi um mangá, em geral mesmo, que tenha um equilibrio legal entre os pesos dos personagens principais. Nunca tem uma dupla dinâmica do calibre de, digamos, um Calvin e Haroldo…

    Mas, enfim. Eu acabei fazendo um texto gigante (pra um comentário), acho que me empolguei com o tema.
    É isso.

    • Pensando aqui nisso que você falou, embora dê pra argumentar que o Ed tem mais destaque, eu considero os irmãos Elric de FMA praticamente no mesmo nível de relevância para a história. Então, é, pode ser que seja incomum, mas não inexistente.

  7. Acredito que personagens ‘abaixo’ do protagonista variam bastante entre serem ‘Mediários’ e Secundários, principalmente em séries longas. Sempre terá um momento em que um vai ter mais destaque/importância que o outro e vice versa. Deve haver aqueles que até tomem (ou quase) o lugar do protagonista (ao menos por um tempo), como eu acho no caso de Hunter x Hunter (que, aliás, nunca ouvi vocês citarem), que no arco de York Shin, o objetivo do Kurapika é praticamente o foco da história.

  8. Não chega a ser um desafio, mas fiquei pensando nas obras que tem o fluxo de consciência, por exemplo, o bom e velho a hora da estrela da Clarice Lispector.
    A obra só tem “um” personagem o escritor e todos os demais acontecimentos vem da cabeça, do que ele pensa e “filosofa” enquanto escreve. Ou seja, a obra só tem “1 personagem”, todos os demais são pensamentos desse personagem, exemplo da Macabeia que apesar de tudo isso é uma protagonista.
    Mas acho que não existe um mangá com fluxo de consciência, pois é algo muito ocidental e nem se essa doideira toda do fluxo de consciência inverte ou muda a nomenclatura dos personagens.

    No caso de PunPun acho que os demais personagem tem mais a função de Supporting character do que de personagens secundários, nesta classificação me vem a cabeça os sidekick’s dos quadrinhos.

    Conheci It’s Not my fault… pela recomendação do Judeu e atualmente me senti um Hipster, já que com o anime saindo a série ta ficando popular, quando o Vídeo Quest fez um vídeo sobre o assunto ai sim, realmente me senti hipster huashuahs.
    Manga² formando hipsterzinhos.

    • O Manga² forma hipsters tão bem que vou parar de frequentar os blogs, porquê esta muito mainstream (LOL)

  9. Eu fiz uma rápida buscar por artigos acadêmicos, via periódicos capes, sobre support characters, e não achei nada, muito bom terem colocado este tema pouco estudado na roda
    Não trago hoje respostas, trago perguntas.
    Coisas interessantes a se pensar sobre os ‘secundários’ é, e acaba que pensar nisto pode até fortalecer, ou não, o termo mediário, que é. Qual a relação do secundário para com o plot e para com o protagonista? E como muda o comportamento do secundario numa obra plot-driver e numa character-drive?

    Será, pensando em mangas longos, que o secundario é sempre secundario? Tipo no arco de Alabasta Vivié protagonista, depois deste arco, figurante. Nico no arco dela, principal, o Luffy cai quase pra suporte, para conduzir o arco dela e catarse que ela sofre, depois, eu não sei porque parei de ler.

    Também é interessante pensar, fugindo dos mangas, na mídia novela e seus inúmeros núcleos, temos personagens que sequer esbarram no protagonista, e fica em núcleos bem distante – penso no núcleo do “Cadinho” em relação a Nina (protagonista ?), em Avenida Brasil, as ações de Cadinho quase não tiveram influência alguma em Nina, mas teve em personagens que tinha relação comum para com ela.
    Viu quanta coisa pra pensar? Estuda e escrever monografia? (recomendo trabalhar com o, eu ainda não li, Guerra e Paz)

    Sobre desenvolvimento, me irrita ver algumas pessoas falando “ah.. mas não desenvolveu fulano”, creio que personagens periféricos, e até principais, devem ser desenvolvidos na medida do necessário, de modo a não prejudicar a história. Pense em Fullmetal Alchemist, no núcleo dos militares que acompanham o Roy Mustang, creio que eles são desenvolvidos na medida certa, se você fosse colocar um capítulo pra explicar as motivações de Roy, ou aprofundar demais nos colegas de equipe o risco de se perder o foco, e fugir da história, é alto.

    Estranho, você confundiu um termo: Cyborg com Androide. Vou te dar uma dica bacana pra nunca mais confundir cyborgs com andróides. Andróides, são robôs, ou seja, andróides são construídos (Astro Boy, a mulher de Yokohama Kaidashi Kikou), cyborgs, são pessoas com implantes, ou seja, são paridos (Kamen Rider, Gally de Gunnm).
    (Nota: Andróide, lit. Andros = homen, Oide = parece, ou seja, são robôs de aparência humanóide. Cyborgs, em strictum sensu são organismos, no caso pessoas, dotadas de implantes cibernéticos, sim, podemos considerar uma pessoa com implante coclear como um ciborg, contudo é interessante pensar que esta noção de implante cibernético provem dos movimentos artísticos cyberpunks, com o surgimento da literatura pós-ciberpunk e atualmente com o movimento biopunk, tanto na literatura, como no mundo real com onde o posicionamento biopunk é muito parecido com os dos cypherpunks – um exemplo de expressão cypherpunk é o wikileaks – podemos pensar na possibilidade de ciborgs com implantes orgânicos, ou ir além de pensar um constructos, ou seja, andróides orgânicos, sim, estou a me referir aos replicantes de Blade Runner.)

  10. Olá!

    Muito bom o cast, tratando de uma área tão estéril quanto rasa. Concordo inteiramente quanto a inexatidão do termo “supporting character” e deixo a questão de Dorohedoro – Kaiman e Nikaido são dois personagens principais ou intercalam entre principal e mediário (principalmente quanto o plot pontua o passado longínquo de ambos, como da infância de Nikaido – que não interfere no plano central de Kaiman – ou da etapa da escola de Aikawa com relação a magia temporal de Nikaido.

    Abraços do King!

  11. Opa! Passando rapidamente só pra dizer que não gostei desse termo novo de vocês, a ideia é muito boa, maaas.

    PESSOALMENTE, pra mim a palavra mediário está mais próximo de dizer que o personagem é mediano e medíocre do que de explicar que ele é um quase protagonista ou principal, sem falar que me soa sonoramente feio.

    Sei lá, acho que prefiro usar sub-protagonista mesmo, que parece mais intuitivo.

  12. Boa recomendação Judeu! Comecei a ler quando vc escreveu sobre o mesmo no blog. O mangá é bem engraçado com situações divertidas, as vezes o ecchi incomoda um pouco mas você se acostuma. Mas um grande defeito da obra na minha opinião é que tem alguns personagens que são muito subdesenvolvidos, de resto diversão e arte fantástica.

  13. adorei esse epi (to meio atrasado pq tava sem net e tbm fica dificil passa 1hora em lan ai prefirir espera a net volta) principalmente sobre a recomedaçao que por acaso eu começei a ler do tempo que vc Judeu fez o post dele aki no site e pra mim e sua 2 melhor recomedaçao so perde pra aquela recomedaçao epica de PUNPUN SLAN DUNK de uma vez so e sobre o episodio esse termo personagem secundario e muito complicado pois eu acho sakura ss uma personagem principal pelo simples fato de tudo sempre envolver o pedido dela pra naruto salva sasuke e zoro e com certeza um protagonista junto com luffy pow ele nunca fico sem luta nas sagas sempre sendo importante pro desenvolvimento n do luffy e sim do mundo One Piece em geral…e isso ae e gostaria de pedi pra quando voltasse bleach vcs comentacem ele no semanal ja ta acabando msm entao da pra aguenta ne

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s