Mangá² #55 – Por que mangás?

Sejam novamente bem vindo ao episódio Albania do Mangá², o podcast atrasa mas não falha.

Na discussão semanal deste episódio, conversamos e tentamos responder a pergunta:  por que mangá? Ou seja, por que lemos e discutimos tanto essa mídia especificamente? Por que não livros, filmes ou série? Tentamos chegar algumas conclusões sobre o que a mídia mangá oferecer que não encontramos em outros lugares e o que ela não consegue entregar.

E a recomendação da semana é uma recomendação do ouvinte Alefe Luis, que sugeriu um mangá slice-of-life histórico/cultural.

Contato

O seu contato é muito importante pra nós! Queremos sempre a sua participação comentando os episódios, enviando sugestões de pauta, sugestões de leitura, dúvidas, elogios e críticas, qualquer coisa!

O email para contato é: contato@aoquadra.do

E lembre-se de encaminhar seu arquivo .mp3 com uma gravação de sua própria Recomendação do Ouvinte, que será incluída a cada 5 episódios!

Cronologia do episódio

(00:30) Discussão Semanal – Por que mangás?

(26:45) Leitura de Emails

(42:00) Recomendação da Semana – Otoyomegatari

Download (CLIQUE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE E ESCOLHA A OPÇÃO “SALVAR DESTINO COMO…” OU “SALVAR LINK COMO…”)

29 Respostas para “Mangá² #55 – Por que mangás?

  1. Sobre os comics, pelo menos no Brasil, não é tão diferente do público de mangás, por ser um público mais velho que o público de mangá, existe uma resistência maior para buscar outras coisas que não tem na banca, Acaba sendo que eles apenas consomem o que vem pelas editoras. Já no mangá, as pessoas acabam procurando mais coisas, fora do âmbito dos publicados, mas no scan mesmo.

    Falando em atualizar o mangaupdates, hoje tive uma surpresa ao ver o primeiro capítulo da serialização de Koe no Katachi,

    Sobre outras mídias, encontrei nos quadrinhos, a melhor forma de me divertir, não consigo acompanhar séries e animes, assim como o Estranho, eu prefiro controlar o ritmo, tenho muito problema em escutar podcasts, pois eu não posso fazer nada ao mesmo tempo. Já filmes, eu acho mais fácil que em séries.

    Eu recomendei Metro Survive por e-mail junto com Gisele Alain. Piercing foi o meu primeiro mangá do Inoue e eu nem sabia que era um mangaka famoso.

    Sobre a recomendação da semana, também é um dos meus mangás favoritos, nessa semana eu li Emma da mesma autora, que se passa na Inglaterra vitoriana, sobre o romance entre uma empregada e um Novo-rico, e seus contrastes entre a sociedade nobre e a ascensão dos primeiros capitalistas ingleses. Uma das coisas que mais notei, em diferença com Otoyomegatari, é que a artista evoluiu muito, principalmente nos detalhes, vendo uma página do último volume de Emma, onde mostra um casamento, com as comidas, imaginei na hora como seria se fosse em Otoyomegatari, com o nível de detalhes que seria adicionado.

    Queria citar também que a Enterbrain é uma das minhas editoras de mangás favoritos, eles lançam muita coisa boa mesmo.

  2. Bom Cast o/

    Realmente o que o Judeu disse esta certo , o tempo de aproveitamento,das mídias que vem do japão ,é maior pra quem começa a ler manga.O publico de mangas esta crescendo só que em uma proporção bem menor que a de outras mídias …

    Bom…. sou alienado em 5 mídias mangas,animes,filmes,musicas e blogs .Gosto de mangas encontro muitas obras e mais acessíveis e eu consigo armazenar melhor o que acontece em mangas .

    Animes gosto por que sou otakinho padrão … e consigo achar boas comedias animadas.

    Nos filmes é onde eu encontro uma visão mais ocidental das coisas .

    A musica é meu relaxante eu adoro ouvir os instrumentais aquelas combinações de sons em minha cabeça me deixam calmo .

    E os blogs estão melhorando minha noções analíticas e de criticas .

    Não leio comics americanos por preguiça, não sinto muita vontade . Livros, eu sou completamente retardado quando paro de ler 1 dia tenho que reler ele quase todo. Por que esqueço muito fácil o que aconteceu.

    Ate a próxima, quando comprar um micro mandarei uma recomendação em audio com 3 mangas 1 ruim, 1 mediano e 1 bom na minha opinião … fuiii ;

  3. Olá senhores, mais um cast ótimo, para variar!

    Olha, para ser sincero, eu comecei a ler mangás por causa dos animes, que quando criança eu adorava, ai continuei a assisti-los até adulto, com o tempo passei a ler alguns mangás e cada vez mais fui me apaixonando por essa mídia. Agora eu tento, além de ler mangás diferentes, em parte por causa de vocês, ler HQs de todos os tipos, nacionais, americanas, europeias, todas que me parecerem interessantes.

    Mas não sou alienado em HQs, tento também consumir um pouco de outras mídias, mas escolhi os quadrinhos, as animações e os games para tentar me tornar um hipster semi-especialista, como vocês diriam, pois a falta de tempo não permite que eu consuma tanto quanto eu gostaria de outras mídias, como filmes. Sim, assisto ocasionalmente algum filme novo que me dá vontade, mas existem vários outros antigos que quero ver, mas esqueço ou fico com preguiça kkkk. Já não consigo consumir tudo das mídias que escolhi para acompanhar mais, como exemplo a minha conta na steam tem mais jogos do que posso contar que nunca foram jogados kkkk…

    Algo que posso destacar do porquê HQs chamarem a atenção em relação a outros meios é o fato deles misturarem um pouco de cada uma das outras mídias. Eles são narrativas com pacing determinado pelo leitor, como livros, são visuais, como filmes, permitem a liberdade visual de estilos e uma suspensão de descrença maior, como animações e pintura, e mesmo não possuindo som, eles representam esse sentido consideravelmente bem por conta das onomatopeias, as quais dão um passo a mais com relação a seu uso em livros, pois além das palavras que indicam sons de forma fonética, nas HQs é feito o uso de elementos visuais para representar fatores como a altura do som.

    É isso meus amigos, continuem assim o

  4. Na minha opinião o público dos mangás é bem menor que os do anime, dentro do “grupo” dos mangás presumo que exista uma boa parte de leitores só lêem os mesmo títulos que vêem em anime, para evitar spoilers ou estar por dentro do que acontece.

    Como a geração Manchete hoje já é adulta e até parte da geração Naruto/Bleach/One Piece, que pegou o começo deles aqui, dos sites lá em 2004/2005, também já estão “velhos”, o que pode fazer o público de anime migrar mais para o mangá.

    Bom pelo menos comigo foi assim, conforme fui ficando com pouco tempo abri mão dos animes, e cada vez mais mergulhei nos mangás, hoje não troco o mangá por anime algum.
    Considero-me “multimídia” e acho que você conhecer uma pode ajudar a outra, por exemplo, no meu caso acho que a literatura (Não que o mangá não seja) me ajudou muito a querer procurar também obras mais densas, sair da zona de conforto do Shonen Porradeiro ou dos Seinen’s Fã Service.

    Partilho da visão de vocês de o fato do mangá como mídia “séria”, um forma de literatura, estar sendo construído ainda no ocidente é um fator que anima muito, até mesmo pelo estudo científico, pois é desanimador querer analisar as grandes obras literárias, ou filmes, pois o mesmo já são dissecado há tanto tempo que hoje quase todos os trabalhos sobre eles acabam sendo só mais um. Isso vale para os games também, apesar de achar que eles já estão se consolidando como uma forma de arte.

    Apesar de que hoje nos Estados Unidos já existe uma revista (anual) cientifica que publica os principais estudos feitos na área de mangá e anime.

    Sobre a entrada de fãs de HQ nos mangás, realmente ela acontece, mas acho que falta os fãs de mangás fazer o caminho inverso e ler Hqs, seja as principais dos heróis ou mesmo as fora do eixo americano.

    Realmente Punpun é um bom exemplo, alias agora que terminei o volume 12, estou sofrendo um vazio pós Punpun, tudo parece sem graça, até os semanais leio 3 páginas, paro, só vejo as imagens e deixo lá parado para ler depois. Parece que você já leu o melhor do gênero e agora não tem mais nada bom. Enquanto isso

    Aliás, estou a duas semanas enrolando para mandar um e-mail para vocês, preciso tomar vergonha na cara e escrevê-lo.

    • sobre o cara que le mangá entrar no mundo das hqs americanas é meio complicado devido a visão esteriotipada de que todo hq americano é só estoria de super heroi patriota alá capitão america
      se bem que tão existe o preconceito de que todo mangá é uma variação de dbz

  5. Ótimo podcast.

    Só pra contar que lendo o One Shot sugerido no programa, Hotel, me peguei sentindo exatamente o que você descrever a respeito do diferencial do mangá como mídia: a capacidade de surgimento de coisas diferentes.

    Essa sacada me fez enxergar com outros olhos o que é Mangá para mim. Se vocês estavam tentando fazer seus ouvintes refletirem sobre isso, parabéns, vocês conseguiram comigo.

    E estou até com medo de ler Punpun depois do comentário do colega acima… será que perderei a vontade por um tempo de ler outros mangás?

    No mais, também me sinto orgulhoso de estar fazendo parte desse momento de consolidação do Mangá no ocidente, principalmente aqui no Brasil. Espero que andemos sempre para frente nessa história.

    Abraços.

    • haushuahsas, calma, não tenha medo, leia Punpun. Geralmente conforme a obra vai esfriando na minha cabeça, isso passa é só fase mesmo. Já passei por isso com livros e você também tem a esperança de sempre achar uma obra que te surpreenda mais.

      E as vezes é (uma viadagem) algo pessoal.

      • é questão de tempo ,quando eu terminei de ler fulmetal alchimist tive a sensação que nunca mais veria graça num shonen de porrada ,mas só foi dar um tempinho e esfriar a cabeça
        isso acontece muito tmbem com slam dunk pelo que vejo ,depois que o pessoa termina de ler diz sentir um vazio e pensa que nunca mais vai haver um mangá de esporte tõ bom

        ps:gon é um mangá que eu não vejo dando certo em qualquer tipo de midia que não seja no quadrinho

    • A ideia é fazer os ouvintes refletirem em todo podcast. Por isso que a gente quase nunca conclui nada, lol! (ou porque não precisa-se concluir nada também)

      Fico feliz que curtiu o podcast, Morcegão! Apareça mais vezes!

  6. ei judeu sobre batle shonen do saci perere ,existe um mangá brasileiro chamado madenca e basicamente é um batle shonen envolvendo o folclore brasileiro

    sobre o tema da semana a unica midia na qual tenho o trabalho de me aprofundar é em quadrinhos e animações ,de resto sou um consumidor comun
    em relação a filmes sou um cara que vai no cinema de vez em quando e só conheço os filmes que todo mundo conhece senhor dos aneis ,avatar e afins e não sei o nome de nenhum diretor
    livros alem dos que todo mundo le como harry poter e crepusculo ,gosto muito de ler livros de ficção cientifica e misterio sou um grande fã da serie de livros de sherlok holmes
    tambem tenho um interesse em lendas, folcore e mitologia indepente de onde seja mas não tenho um conhecimento muito profundo sobre a mesma (pensando nisso vocês podiam fazer um podcast falando da relaçao de alguns mangás com lendas do solcrore japones)
    de resto sou um leigo em relação a musica ,poesia e afins
    mas pra min o importante é a pessoa fazer aquilo que a deixa mais feliz eu gosto muito de quadrinhos por isso me aprofundo tanto nessa midia muito mais que nas outras, mas é claro isso não significa que menospreze as outras midias por exemplo existem filmes e livros por ai tão bons quanto quadrinhos

  7. Olá a todos. Eu fui o típico leitor de histórias em quadrinhos que migrou para o estilo mangá e ficou aficionado pela forma de arte tão bonita e ao mesmo tempo as vezes tão rica e cheia de nuances. Creio que os mangás atualmente são bem melhores que as hqs americanas, pois essas mostram um sinal de desgaste e repetição muito grande de argumentos e roteiros. Assim, creio que EU gosto dos mangás por paixão mesmo e nunca me perguntei o porque de gostar disso. Eu simplesmente fui lendo e gostando e consumindo mais, etc… Preciso pensar melhor nas questões que vcs trouxeram com o cast e preciso ler Punpun para ter uma ideia do que vcs falaram. Acho que não ajudei em nada na discussão, mas vou pensar mais a fundo sobre isso…

  8. Admito que ando meio alienada com mangás recentemente porque ando bem sem tempo lol Leio uma comic e outra de vez em quando(geralmente as que ouso falar no meu tumblr rs), mas beeem casualmente. Webtoons aparencem sempre nos leitores de mangás e acaba ficando fácil ler uma e outra (a mais recente foi Nowhere Boy, que eu recomendo).
    A verdade, até para os mangás ando sem tempo, apesar de animes da temporadas continuarem fáceis de acompanhar porque sempre vejo uns 4 títulos no máximo…
    Filmes eu via muito na época em que tinha tv paga no quarto (hue), via um todo dia no conforto da minha cama quando voltava da escola, porém, sou leiga nessa mídia.
    Livros eu tentei, mas não tenho paciência pra isso.
    Na área da música, games e ilustração (isso conta?) acabo indo pro lado mais japonês da força na maioria das vezes, mas sempre tem algo interessante de outros lugares que chegam até. De música gosto muito de VOCALOID e derivados (não me matem), games costumo jogar sempre os feitos RPGMaker (atualmente quando dá tempo eu jogo Off, que é francês nesse caso, muito bom até agora) e engines similares por ter um pc pouco potente e nenhum outro console. Ilustração vai tudo por redes sociais como PIXIV, DeviantART e Tumblr (essas duas ultimas acabam tendo mais artistas ocidentais comigo incluso, eu acho).
    Pelo menos eu consegui descobrir mais sobre a mídia do podcast (tá não é pra tanto), por que passo o dia todo desenhando e é bom ficar ouvindo algo que não atrapalhe meu desempenho. Recentemente ando ouvindo Welcome to Nigth Vale, que me surpreendeu por ser meio maluco.
    Mídias que eu tenho interesse mas pouco acesso são Visual Novels e Drama CD’s. Visual Novels é porque um amigo sempre faz propaganda das mesmas e a ideia da narrativa parece única da mídia, o problema acaba sendo hackear tais coisas. Drama CD foi pelo fato de acabar gostando de um mangá (Are you Alice?) baseado em um mas o problema é que nunca encontro nada traduzido D:
    E foi um bom cast, adoro ouvir suas lindas vozes (ou quase) enquanto desenho 😀

  9. Bom, eu acho que uma das maiores vantagens e razões para o sucesso dos mangás e manhwas está na sua versatilidade, tanto no traço como nos temas que são mais variados.Na questão do traço, dentro do gênero existem estilos bem variados de traço, por exemplo, o Inio Asano tem características de fazer uma traço de personagens mais caricato, o que difere por exemplo do Takehiko Inoue, que faz um traço mais sério de personagens mais próximo do real.E assim cada um pode colocar suas características distintas, o Furuya tem seu estilo, o Nihei já muda e por ai vai.

    Eu tenho sempre curiosidade de experimentar novas mídias, o que manda é o tempo.Eu gasto um tempo considerável com mangás, animes, livros e música, e as vezes tentar encaixar um tipo novo de mídia na rotina fica um pouco complicado, como por exemplo, jogos (com exceção de jogos retrô e indie, que acompanho de vez em quando, quando jogo Star Ocean SNES que para mim é o melhor jogo rpg do mundo :)).

    Com relação a recomendação dessa semana,até que enfim! 😀 Eu achei que ficou um pouco abafado a voz por ter gravado em um tablet mas acho que deu para ouvir direitinho, nas próximas mando com uma qualidade melhor.Esse mangá foi um dos primeiros que peguei para acompanhar de uma garimpagem de mangás de alta qualidade e com poucas reviews que ainda estou fazendo na internet para fazer reviews.Inclusive esse mangá não tinha reviews em português, agora já tem uma review para quem pretende pegar o mangá para ler:

    http://selectedmangas.wordpress.com/2013/08/08/selected-review-otoyomegatari/

    As outras recomendações que fiz são essas:

    Semete,ano yuki no you ni (At least, like that snow) one-shot
    Koharu no Hibi: Esse é melhorzinho, tem uma review no meu blog lá.
    Astro: one-shot com um traço de personagens bem horrível, parecendo ET misturado com Bleach rsrs,além do fato que ninguém viu.

    Em relação a filmes, eu vou de vez com uma certa frequência em cinemas mas por enquanto eu estou dando mais prioridade para filmes de animes e do estudio Ghibli e animações como “Uma História de Amor e Fúria”, uma animação brasileira bem cotada, e animações mesmo, como o Anima Mundi.Aliás, o Anima Mundi já começou, quem gosta de animações como eu o link aqui:http://www.animamundi.com.br/pt/anima-multi/. Eu sempre gostei de assistir animações curtas no Youtube e Vimeo, especialmente aquelas bem experimentais, talvez mais a frente eu tente abordar esse tema e dar uma explorada nesse tipo de mídia.

    Eu também acompanho resenhas de filmes, atualmente acompanho as críticas do Cinema com Rapadura (http://cinemacomrapadura.com.br/) e os comentários do Filmow.Tem criticas do Cinema com Rapadura especialmente o dos filmes bem ruins que são bem engraçadas (Aqueles com menos de 3 estrelas) e criticas boas também.Lá tem podcasts também.

    E para terminar, ouvi falar que vai ter filme de GUNNM com prazo de lançamento em 2017 e será feito pelo James Cameron.Vai demorar, mas acho que vai valer a pena.

  10. Ah Estranho, você comentou que possui outros mangás com uma qualidade de impressão boa, capa dura e tal, além de Otoyomegatari, você poderia me dizer o nome de alguns? Quero uns mangás com uma encadernação mais bonita para colocar em minha coleção, mas não conheço muitos. Se me disser o nome de alguns depois dou uma procurada em sites gringos, como a Amazon, porque é bem difícil sair por aqui :/….espero que com o aparente sucesso de Death Note Black Edition comece a sair mais coisas do gênero por aqui, ainda mais capas duras, babo com aquele HQs americanos que saem assim @_@….

    • Primeiro que recomendo o BookDepository em vez da Amazon, por velocidade e preço, já que não cobra frete.

      Dito isso, acho que os que batem mais de frente com A Bride’s Story em termos de qualidade é GoGo Monster e a versão “única” de Nausicaä.
      De capa dura são só esses, acredito. Mas tem outros que não são capa dura mas que tem uma qualidade tão boa quanto, como a versão deles de Tekkon Kinkreet (Preto & Branco), REAL e Children of the Sea. E adoro a versão Solanin americana também, foi por ela que conheci o mangá e o autor anos atrás.

      • Nu! Valeu, nem sabia que existia essa versão capa dura de Nausicaä oO…vou comprar agora uahhaauhauhauh…..ou outros tbm, conforme a grana for dando xD…vlw estranho o

      • Eu ainda não comprei o mangá de Nausicaä, mas pelo que vi no instagram tem um acabamento chic no último.

  11. Olá!

    Diria que os mangás são – em ordem de dedicação – o menor setor entre todas as mídias. Minha trívia é inquestionavelmente livros, filmes e séries. Tenho um fraco para séries sci-fi setentistas e oitentistas, como Logan’s Run, além de uma grande atenção a livros sobre distopias, como Nós do Zamyatin e para filmes que contemplem histórias adaptadas, com algumas raras exceções de roteiros originais. Ainda somo filmes trash (com filmes nacionais do cinema do boca) onde comento e tento escrever algumas resenhas (com uma incrível periodicidade).

    E por que mangás? Imagino que por dois motivos; A possibilidade de finalização de uma obra e sobre a diversidade de criação na ficção. Mas admito que tenho uma enorme dificuldade de conseguir encontrar/acompanhar obras que me cativem (com os comics encontro ainda mais dificuldade porque geralmente os ‘novos’ se baseiam mais na violência gráfica do que propriamente na história).

    E qual a opinião dos podcaster sobre os Manhwa? Recentemente alguns subiram na minha lista como Habaek-eui Shinbu, e o estilo começa a tomar contornos em minhas listas.

    Parabéns a mais um cast excepcional!

  12. Maldito capitalismo! Trabalhar da muito trabalho (!?), e tenho trabalhado demais ultimamente… gostaria de ter comentado os temas das ultimas semanas, mas não deu.

    No meu caso, o hype acaba sendo uma coisa mais interna, até mesmo pelo meu jeito um pouco excêntrico de decidir o que ler. De maneira que, pelo menos nessa parte, o que estão falando acaba não me afetando muito. Por outro lado, as vezes a expectativa que eu mesmo acabo criando durante a obra, pode afetar significativamente a minha experiencia de leitura.

    Em se tratando de obras longos, nunca tive nenhum tipo de problema com. Nem de me decepcionar em especial com elas, tão pouco de me assustar com o tamanho delas. Pra mim, o que costuma dar problema em mangas de maior duração, é quando a editora começa a pressionar o autor pra estender a historia (afim de lucrar mais, mesmo quando já deu o que tinha pra dar) e ele acaba cedendo.

    Quando comecei a ver o manga enquadrado, pensei que o único one-shot que tinha lido era Because Goodbyes are Coming Soon, mas depois fui perceber que na realidade o único que não tinha lido era Hotel. São ótimos mangas com certeza, também gostei do programa, mas não tenho muito o que dizer. Eu ia recomendar Kuso Miso Technique pra vocês, mas como parece que já viram, então vou de She got off the bus at the Peninsula da coletânea Filament de Yuki Urushibara (Mushishi e Suiiki), e também, caso ainda não tenham lido SOS! Taitokyoo Tankentai da coletânea Tokyo Metro Explorer de Katsuhiro Otomo (Akira). Que eu me lembro de cabeça, tenho certeza que já li muitos one-shots bons, depois dou uma olhada na minha lista.

    Agora indo ao que interessa, posso dizer que o ser humano é mesmo uma criatura muito interessante. Não é como se não pudesse entender o que vocês estavam querendo dizer, mas eu não posso dizer que me sinto da mesma maneira que vocês. Isso é, a minha resposta a essa pergunta é muito diferente.

    Nunca sequer tinha me passado pela cabeça esse negocio do manga ser uma mídia nova, e tudo o mais, é um bom ponto, só que pra mim não quer dizer nada. Tem tanta coisa pra trás, em mídias como literatura ou cinema, que talvez mesmo que não haja tanto espaço pra inovação, eu ainda ia estar muito bem servido com tudo que já foi feito e experimentado. Sinceramente, o próprio manga ao longo dos seus mais ou menos 50 anos de historia, já tem tanta coisa que provavelmente eu não poderia ver tudo ao longo da minha vida inteira.

    Também tenho a sensação de ter mais controle sobre meu tempo lendo manga, mas acho que é só impressão mesmo, ainda que sem perceber a gente pode acabar sendo muito influenciado pelo pacing criado pelo autor. Isso sem contar que não gosto nem um pouco de parar de ler um capítulo no meio, nem de parar um volume pela metade eu gosto. Então essa sensação acaba me soando meio falsa, além do mais, já não sou mais tão preocupado com esse negocio de controle.

    Provavelmente não sei a resposta ao certo, e nem como coloca-la em palavras, mas isso não me impede de tentar.

    Pra mim o manga é uma forma de arte especial, nela existe uma mistura de outras mídias como em nenhuma outra. Assim como na literatura, nós temos uma grande liberdade pra dar asas a nossa imaginação. Da mesma forma que no cinema, a arte parece estar viva e em movimento. E se você prestar a atenção nos detalhes e nas onomatopeias, vai poder ouvir som no manga. Todas essas sensações, e a mistura delas ajudam a aflorar uma serie de sentimentos que tornam a experiencia de ler um manga única.

    A diversidade das historias, desde a arte, ao tema e a forma narrativa. A quantidade de gêneros e a vastidão demográfica da industria do manga. A liberdade de produção, que permite obras como Onani Master Kurosawa, só pra chutar um exemplo óbvio, ver a luz do dia. Todo tipo de historia, contada de tudo quanto é jeito, pra todo tipo de pessoas.

    Coisas como Beck, onde você consegue ouvir a musica no manga, ou Yotsubato! (que pra mim é um dos exponencias máximos do manga, não consigo ver essa historia sendo adaptado pra outra mídia), são ótimos exemplos do que o manga pode fazer. Até mesmo um Hokuto no Ken, fruto de seu tempo, ou uma parodia insana como The Legend of Koizumi, não poderiam ser feitos em outra forma de arte. Até porque, tanto a literatura quanto o cinema, os equivalentes mais próximos do quadrinho, tem suas limitações. No manga existe mais liberdade pra fazer certas coisas que não daria pra dizer apenas em palavras, e que o cinema também não teria recursos técnicos e monetários pra reproduzir.

    De maneira nenhuma desprezando outras mídias, como a literatura, o cinema e a musica. Inclusive series de tv e anime também, de jeito nenhum! Cada uma delas é única, e tem seu papel e sua importância, mas não são elas.

    Não são elas…

    Em algum momento, acho que foi o Judeu quem disse que, ele não espera ver regionalismo nos mangas, mas eu tenho a impressão de que ele acaba justamente sendo bem regionalista. Penso no manga como uma vertente das historias em quadrinho criada no Japão, não como historia em quadrinho feita por japonês. Por isso mesmo pode ser reproduzida em qualquer lugar, mesmo aqui no Brasil, nos EUA ou na Coreia do Sul, como o rock pode ser tocado em qualquer língua.

    No entanto, ele pode ser bem regionalista pela natureza da sua produção. Involuntariamente os autores acabam deixando sua historia carregada com as pequenas nuances da sua cultura, da cultura japonesa. Seja diretamente ou indiretamente, mas todo manga feito por um japonês tem um pouco do Japão nele, mesmo quando a historia não se passa por lá e o autor tem um grande trabalho de pesquisa pra recriar um universo totalmente diferente, transcendendo todas essas barreiras, se você procurar ainda vai conseguir encontrar.

    Admito que sou alguém que está sempre procurando, por esses pequenos traços da cultura japonesa nos mangas, e sempre fico feliz quando consigo encontrar. Aquele pequeno detalhe, bem pequeno e bem característico, o tipo de coisa que as vezes nem eles próprios percebem. Nem o autor e tão pouco os leitores originais, que não se dão conta por se tratar de uma coisa corriqueira, mas que é fascinante pra quem está vendo de fora.

    E eu sou fascinado pela cultura do Japão. Não apenas pela historia do arquipélago, mas pelos diversos tipos de fenômenos culturais e sociais contemporâneos também. É tão interessante e tão diferente da nossa cultura, não é uma questão de ser melhor ou pior, é apenas e tão somente diferente. Eu gosto muito. Se fosse absorver tudo que chega até mim sem nenhum senso critico, com certeza seria uma pessoa bem alienada, mas não.

    Gosto de assistir filmes e de ler livros, e gosto muito de ouvir musica. Acho que na verdade sempre tive um pouco de medo de me alienar, então estou constantemente me forçando a ir além, só que infelizmente não existe tempo hábil pra fazer todas as coisas que eu gosto. Assim acabo ficando mais tempo naquilo que mais gosto. Deve ser o mesmo para vocês, não precisam ficar se justificando a essas alturas, foi realmente desnecessário dizer que não são apenas manga.

    Enfim, acredito que por tudo isso, pela miríade de sensações e pela pluralidade dos mangas e ao mesmo tempo sua natureza oriental, que posso dizer claramente que é porque, eu amo os mangas. Ficar procurando motivos ou razão, se é apenas sobre sentimentos. Me desculpem, posso gostar de muitas outras formas de arte, e mais ainda das historias em quadrinho como um todo, e é mesmo clichê e piegas, mas sou realmente apaixonado é pelo manga. Talvez por isso acabe relevando algumas coisas, e até chego a gostar de certos defeitos, mas também não é como se fechasse meus olhos e ignorasse o mundo a minha volta, mesmo que porque não da pra aproveitar ao máximo o que a mídia tem a me oferecer sem ter bagagem pra isso.

    Independente da minha resposta, parece que muitas pessoas também tem uma relação especial com o manga. O publico que acompanha anime está constantemente se renovando, sempre tem gente nova aparecendo e um pessoal que vai indo embora aos poucos. Quanto as pessoas que chegam até os mangas, seja por n motivos, acaba não indo mais embora. Eu pelo menos consigo me ver lendo manga a vida toda sem problema.

    … de novo tenho a sensação de que escrevi demais, e ainda parece que tem mais coisa. Só que nem adianta tentar espremer mais o meu cérebro, já deu o que tinha pra dar.

    Ah, sobre Double House, aquele final sem final foi mesmo ruim. Da primeira vez que li cheguei a pensar que ainda tinha mais coisa, mas acabou ali mesmo, uma pena. Aproposito, novamente peço desculpas por não conseguir enviar este mais cedo.

    Muito obrigado, continuem se esforçando!!

    willcav, Santo Andre – SP.

  13. Pingback: Mangá² #159 – O Papel da Arte | AoQuadrado²·

  14. Pingback: Mangá² #159 – O Papel da Arte | Podflix·

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s