Mangá² #27 – Qualidade e Gosto

Sejam novamente bem vindo ao episódio 3³ do Mangá², o maior podcast sobre mangás do Brasil!

Nesta semana, fazemos a análise filosófica, circular, difícil e contraditória sobre o que é a qualidade, como podemos defini-la e como o seu gosto pessoal influencia em todo esse processo. Porque nosso gosto >> seu gosto.

Na análise dos mangás semanais, voltamos a falar do Big 3! Portanto ouça nós falarmos do chatão do Tobi em Naruto, em ter um hype gratuito em Toriko e tentar entender a física por trás do estilingue do Usopp em One Piece.

E na recomendação da semana, o Estranho sugere o primeiro shoujo da história do Mangá²!

Contato

O seu contato é muito importante pra nós! Queremos sempre a sua participação comentando os capítulos, a pauta sugerida, enviando sugestões de leitura, pedidos de sugestões específicas, elogios e críticas em geral, qualquer coisa!

O email para contato é: contato@aoquadra.do

E lembre-se de encaminhar seu arquivo .mp3 com uma gravação de Recomendação do Ouvinte, que será incluída a cada 5 episódios.

Links Comentados

ToCast 23 – Retrospectiva 2012
Derada

Cronologia do episódio

(00:23) Discussão Semanal – Qualidade e Gosto

(17:02) Leitura de Emails

(31:00) Naruto 615 – Laços Inquebráveis / Naruto 616 – A Dança dos Ninjas
(38:00) Toriko 217 – Sinal para Início da Guerra!! / Toriko 218 – Bishokukai Invade!!
(42:35) One Piece 694 – O Homem Mais Perigoso / One Piece 695 – Deixa Comigo!

(53:21) Recomendação da Semana – Orange

Download (CLIQUE COM O BOTÃO DIREITO DO MOUSE E ESCOLHA A OPÇÃO “SALVAR DESTINO COMO…” OU “SALVAR LINK COMO…”)

43 Respostas para “Mangá² #27 – Qualidade e Gosto

  1. Aposto [quantidade de dinheiro arbitrariamente alta] que o Estranho encontrou Orange ordenando por rating a lista de todos os mangás do Mangaupdates.

    • Pior que não, lol! Eu evito fazer isso porque quase sempre vem uma caralhada de yaoi, e tenho preguiça de fazer um filtro descente.

      Foi num tópico de leituras do Mangahelpers, muita gente recomendou há um tempo atrás e tava esperando na minha lista!

  2. Só eu achei curioso o Buffalo falando pro Law “You backstabber! For your sake joker reserved the seat of the “hearts””?? Acho que só fortaleceu ainda mais essa teoria http://migre.me/cTU8g no início achei galhofa, mas agora, explodiu minha cabeça

  3. eu acho que ….
    Qualidade seja o quão próximo uma obra esteja perto de ser perfeita, e o gosto é o quão você ACHA que a obra esteja próxima de perfeita.
    e com isso quero dizer que …. sei la.

  4. Vocês estão realmente quebrando paradigmas nas recomendações nos últimos tempos: o primeiro moe, o primeiro shoujo… daqui a pouco aparece o primeiro ecchi, o primeiro hentai, o primeiro yaoi/shounen-ai… Eu já tinha ouvido falar desse Orange, mas até agora não tinha tido nenhum motivo pra lê-lo. Vamos ver se esse negócio presta.

    • Aceito o cumprimento, principalmente vindo de alguém com um avatar de tamanho bom gosto, de uma obra que o Judeu é bicha e ainda não leu.

      • Concordo plenamente com você, muito errado fanboyzinho de JUMP não ler um dos mangás mais viciantes da nova leva da revista. E judeu como bom bicha deveria recomendar um bom yaoi na próxima edição do podcast…

        • Olha só, mas vou considerar isso anti-semitismo, podem os dois esperarem o contato pelo meu advogado.

          Alias, olha vocês aí, subjugando o gosto alheio ao em vez de trocar referências, nem ao menos pra me falarem que mangá é esse.

          • Anti-semitismo não, você perderia com essa causa. Mas ganharia com uma certa facilidade se nos processasse por homofobia…

            O mangá é o Haikyuu!! (ou HQ!), o mangá de volei que você mesmo comentou que nunca tinha lido e que não teria vontade porque acha volei chato para caralho. O mangá é cheio dos clichês óbvios de mangás de esporte, mas é divertidíssimo, extremamente viciante, e possui personagens bem carismáticas (desde do time principal, ao seus adversários). Meu avatar é a Kyoko Shimizu, a manager do time ^^’

            Sinceramente, tenho penado em encontrar um bom yaoi que caia na graça de algum de vocês… yaoi com temática de segunda guerra valeria? (agora que eu sou processada de vez…)

            Eu queria mandar um email comentando a maratona que fiz do podcast de vocês, se eu não tiver preguiça deve chegar uma menssagem em breve…

          • Particularmente até prefiro Haikyuu do que Ansatsu.
            Os dois são muito bons, duvido que o Judeu vá concordar, pois é uma questão de gosto minha mesmo xD Mas Haikyuu me prendeu um pouquinho mais que o mangá do polvo.

            Eu diria que ele mesmo não o considerando melhor, ainda veria muitas qualidades na obra, mas o Judeu não gostou nem de Yu Yu Hakusho….

            Mas a sério, com a narrativa visual certa, qualquer esporte pode dar um excelente mangá. Comecei a gostar de boxe lendo Buyuden, e olha que ele nem é tão bom assim.

  5. no meu caso em relação aos mangás eu tenho duas analises
    a primeira na qual levo em conta todos os meus gostos pessoais e expectativas

    e a segunda onde analiso friamente o mangá deixando de lado meus gostos pessoais

    por exemplo fairy tail

    na primeira analise considero ele como um bom mangá pois me diverte,os personagens são carismaticos ,as lutas são interesantes e pois gosto de um pouco de echi

    já na segunda analise considero um mangá ruin pois analisando friamente ,ele é bem inconsistente ,cheio de furos no roteiro ,protagonismo execivo e exesso de cliches ultilizados

    sobre yuyu hakusho ,acredito que a adimiração seja mais pela nostalgia e pelo carisma do quarteto principal

    eu não vi yuyu na minha infancia por isso pra min nõ tem um valor nostalgico e consigo avaliar a obra de uma forma diferente

    é um bom mangá com uma historia simples mas com personagens carismaticos e boas lutas ,mas não é nada de extraordinario ,mas teve sua importancia pois foi o que deu origem ao “protagonista delinquente”

    sobre o capitulo de naruto a unica coisa que gostei foi a pagina colorida e concordo com o judeu a muito tempo que o kishimoto não caprichava desse jeito

  6. esse orange quando o estranho começou a falar a sinopse ,na hora me veio a mente um filme americano no qual acontece exatamente isso

    falando em generos distintos tenho a recomendação de um bom shonen-ai pra quebrar um pouco do preconceito

    é gravitation o mangá chegou a ser publicado aqui pela jbc se não me engano se procurar deve ser facil achar todos os volumes

  7. no meu caso tenho duas fomas de analisar um mangá

    na primeira levo em conta todos os meus gostos pessoais

    na segunda analiso friamente deixando todos os gostos pessoais de lado

    um exemplo fairy tail

    na primeira analise considero como um bom mangá pois me diverte ,tem personagens carismaticos ,lutas interesantes ,e gosto de echi

    ja na segunda ,analisando friamente considero como um mngá ruin devido a falta de concistente ,furos no roteiro personagens rasos ,,protagonismo execivo ,e xeço de cliches

    sobre yuyu hakusho boa parte da adoração se deve a nostalgia e o carisma dos personagens ,eu não vi yuyu hakusho quando criança por isso não tenho o fator nostalgia mas considero um bom mangá mas nada de estraordinario , e tambem tem o fato do mangá ter criado o esteriotipo de “protagonista delinquente”

    sobre naruto gostei mais da pagina colorida do que do capitulo em si ,concordo com o judu faz tempo que o kishimoto não caprichava desse jeito

  8. Eu vou ter que discordar em parte de Kant e de vcs, mas talvez por conta de definições pessoais minhas.

    Existem dois tipos de motivos para alguem gostar de uma obra:
    1- Irracionais: O carisma, a química. Dá para analisar friamente e separar as razões para as pessoas gostarem daquilo, mas ninguem tem o direito de julgar porque essas razões não provém necessariamente de uma falta de senso crítico.
    Tem gente que não gosta de alguns animes espetaculares como YuYu Hakusho porque são pessoas chatas mesmo, fazer o que? rs

    2- Racionais: Diretamente ligados à qualidade da coisa. Quando a obra ganha pontos com vocês por atingir certos valores técnicos, os quais já foram citados no manga². E é aqui onde entra a questão do gosto refinado: a capacidade de apreciar essas qualidades e saber que obra é melhor

    O problema ta no orgulho das pessoas e na mistura que fazem entre esses dois tipos: Elas acham que só pq gostam de algo, aquilo tem que ser ótimo. Qual o problema em reconhecer que CDZ é uma droga, mas ainda gostar? Toda saga é uma repetição da anterior, mas ainda acho legal pra caramba, nem que seja só por conta da nostalgia.

    Pegando o sucesso do momento: OnePunch-man. Eu mal solto um sorriso, mas que direito eu tenho de dizer que aquilo não é engraçado, sendo que esse manga faz tantas outras pessoas rirem? E eu consigo reconhecer algumas outras qualidades, como a arte de Murata. Alguns gifs que fizeram usando as sequencias lá do ninja e do canhão de raios do robô são sensacionais. Mais alguns paineis e dariam um banho em cenas de ações de alguns animes. (Esse último parágrafo ia fazer parte de um texto sobre comedia, mas acho que já me extendi demais e não disse nada com nada)

  9. O personagem na última página de One Piece é o Aokiji sentado na cabeça de uma gaivota gigante.

  10. Gosto é irrelevante, sério. Hahaha

    A priori, defini-se qualidade pelos critérios qualitativos do tema em questão. É evidente que existe consequência satisfatória produzida pelo seu gosto, mas se este for tão somente baseado no ”Ah, é legal” é irrelevante, descartável, esdrúxulo, impensável. Se você quiser uma discussão coerente, tentando chegar a um consenso, seja do belo ou do bom ( Em termos de qualidade) você DEVE apresentar algo que suporte esse valor opinativo atribuído.

    Existe razão em crer que haja um ponto universal de concordância, um desses, é a música erudita. Dada toda a aceitação histórica e a percepção qualitativa extrínseca a qualquer valor opinativo, é inquestionável que música erudita é algo sublime.

    No mundo dos mangás, é mais fácil de detalhar ( Eu acho). Segue a fórmula: Arte estonteante + enredo construído = mangá fodão.

    ”AH, mas se não tiver arte boa e um enredo bom, o mangá não é fodão?” Claro que não. É por isso que discutir qualidade de mangás é algo bem complicado e requer um senso crítico além disso. A fórmula acima é a genérica, mas existem maneiras de burlá-la. há-há.

    Enfim, para definir um mangá como bom ou ruim requer os critérios do mesmo. Arte, enredo, coerência, construção de mundo, e o krl a quatro.

    Ah, o chefe da bishokukai é o Midora, não o Starjun. O cabelo parecido deve ter confundido. Starjun é vice- chefe.

    E o cara sozinho no mar não tem como ser o Mihawk. Mihawk é badass e nunca dormiria no mar e perderia o senso de orientação haha

  11. Qualidade pode não ser tão subjetiva assim, mas é sempre dependente de que “escola” digamos assim aquela sociedade segue. Acho que com a beleza fica mais fácil mostrar isso, por exemplo, todos nossos padrões e estudos de beleza vêm da visão grega do que é belo, porém não podemos dizer que isso vale no mundo todo, não posso dizer com propriedade, mas acho que principalmente no oriente médio os padrões de beleza são diferentes, muito em parte, por que a qualidade deles é embasada em uma escola diferente.

    Não sei se fui claro, mas acho que algo assim deve acontecer com o padrão de qualidade.
    Sobre gosto, as pessoas tem uma dificuldade imensa de admitir que gostam de coisas ruins, todo mundo gosta de alguma obra ruim, seja mangá,livro, game, filme ou música. E Ok! Isso não deveria ser um problema, parece que quem gosta de algo ruim, é burro ou sei lá o que. Ninguém tem um gosto 100% bom ou culto, todos têm algo ruim no seu gosto e isso é humano.

    E não é por não gostar de uma coisa que eu tenho que desmerecer ou achar um lixo. Esse exemplo é mais claro em discussões religiosas e políticas, onde existe toda essa “lenda” no Brasil que são assuntos indiscutíveis, só por que, as pessoas têm uma dificuldade enorme de aceitar e entender a opinião de outra pessoa.
    Socialmente chegamos ao ponto que a massa mal consegue discutir sobre futebol, que ok, eu gosto, mas não vejo problemas em assumir as falhas ou bostas do meu time.

    Não sei se tem algo na psicologia que explica, mas parece que gosto e qualidade estão ligado socialmente a quão superior e diferente de tais grupos você está.

    Voltando aos mangás, por exemplo, Fairy Tail, não consigo gostar, pois a trama não consegue me prender, personagens mais genéricos que o normal com os quais não consigo ter empatia, mas respeito à obra pela Elza/Erza, pois apesar dela ser um Zoro de saias, achei isso bom, propositalmente ou não, por uma das personagens principais e badass da série ser uma mulher em um cotidiano japonês machista que nos Battle Shounens é difícil você ver guerreiras fodas no time principal.

    Ou o próprio Hajime no Ippo, o que faz do mangá ter um diferencial é justamente o jeito que ele relata as coisas do Boxe (golpes que são tirados de golpes reais, lutadores baseados em lutadores da vida real, ou os problemas de dieta de um lutador.), claro tem o bom desenvolvimento de personagens secundários, mas se você não gosta de boxe, o mangá se torna sem grandes atrativos.

    Cara, se essa tradução de Duro de Matar pra AC pega na Web, coitada da editora e do tradutor depois que traduzir de forma correta, vai ser queimado vivo pelos fãs.

    É isso ai, vai por comentário mesmo que estou com preguiça de mandar um e-mail huahsasas.

  12. qualidade é algo como vocês definiram, existem critérios para se ‘medir’ a qualidade que todos tem. algo como critérios comuns por exemplo, que todos podem usar pra se medir tal qualidade.
    porém, eu acho que, por exemplo, um critério que deveria ser levado em consideração é aquele mais simples. ele diverte ? ele empolga ? eu acho que são ‘critérios’ válidos para se medir a qualidade de uma obra. afinal, mangás e animes são diversão antes de qualquer outra coisa.
    o exemplo que deram de fairy tail, tem muito deus ex-machima, tem muitos furos de roteiro e tal, mas é um mangá que diverte, que tem lutas boas e personagens carismáticos. tornando-o pelo menos pra mim, regular, não ridiculo como muita gente acha.

    primeiro comentário meu pro podcast, ouço vocês desde o 13 acho. curto teu programa !

  13. Acho que é o Vegapunk. A princípio eu achei que era o Mihawk, só que vi a imagem ampliada e parecia mais um maluco de pernas cruzadas em cima da cabeça de um pato/gaviota/ qualquer ave marinha que vier a cabeça com um binóculo, mas vamos esperar pra ver.
    Quanto ao tema, é muito subjetivo para mim XD.

  14. comecei a ler onepunchman devido a recomendação de voces e estou gostando muito

  15. comecei a ler toriko só para poder ouvir todos os podcasts inteiros, alem disso, li the music of marie, memories of emanon e solanin por causa das recomendações e agradeço por terem me recomendado esses mangás

  16. Acredito que a separação definitiva de gosto pessoal de análise crítica imparcial é o último estágio de um processo que leva anos. Na infância, sem o menor senso crítico, o que defino “bom” e “ruim” são os gostos de cada um. Perfeitamente compreensível que meninas, na época, não gostem de um desenho como Dragon Ball Z e, por tabela, o considerem “ruim”. Mas, ao mesmo tempo, nada impede que uma garota goste da obra, o que a faria dizer que é “bom” em discussões com colegas de mesma idade.

    A situação começa a mudar na adolescência, quando passamos a tentar explicar nossos gostos. Juntando isso ao fato de sermos constantemente influenciados, o nosso senso crítico começa a ser moldado. Por exemplo, um adolescente que gosta de videogames e passa a comprar revistas especializadas entra em contato com termos técnicos, avaliação de critérios, toda uma argumentação convincente… Ele passa a ter vontade de se tornar independente dessas coisas, passa a julgar os gráficos ou a jogabilidade por conta própria, vai desenvolvendo seus próprios critérios e argumentos.

    E à medida que ele vai crescendo, começa a ter uma visão mais pura de qualidade, uma vez que vai lapidando tudo aquilo que ele conhece sobre uma determinada área… Fica muito mais fácil distinguir o seu gosto pessoal de uma avaliação crítica. Eu, por exemplo, detesto mangás cheios de retículas em suas páginas, meu gosto tende a procurar por obras com um traço mais “limpo”… Mas na hora de avaliar a arte de um mangá, me desprendo totalmente dos meus gostos, dos meus preconceitos e julgo-a de acordo com sua proposta, de acordo com o que a obra é, não pelo que eu gostaria que fosse.

    Aprofundando a questão da qualidade, me parece cada vez mais sincera a frase de que “nada é perfeito”. O que se espera de cada é um é que se tenha os próprios critérios na hora de avaliar algo. Dentro dos meus critérios, Fullmetal Alchemist é um mangá perfeito, nota 10 sem nenhuma ressalva. Mas pode ser que para outros existam defeitos… E isso, no fundo, é excelente. Permite que o debate acerca da obra continue, permite que ela continue viva mesmo após seu término. Se alguém me mostrar um defeito na obra, ficaria bastante feliz. Posso até não mudar de opinião, mas me faria olhar para FMA por um ponto de vista diferente, me faria ter uma visão mais completa da obra de Arakawa.

  17. o battle shounen do episodio anterior não é um bom exemplo? , tipo , eles preferem fazer algo que agrade o GOSTO da maioria ao invés de qualidade. Se a gente for parar pra ver quantas coisas de ótima qualidade que a grande maioria se quer sabe que existe, e algo como Fairy Tail agrada multidões de pessoas(Eu gosto de FT mesmo sabendo que não tem historia u.u). Acho que a maioria vai pelo Gosto mesmo. (Tambem gosto de Bleach mesmo sabendo de todas as merdas que o autor faz, vá se fuder vocês kkkkkk, zuera, xP )

    Que teorias vocês tem pro olho fechado do Zoro, será que é um olho de falcão? hahaha

    Estou acompanhando One Punchman, e comprei os dois volumes de Solanin que foram lançados aqui no Brasil, culpa de vocês, ha! gostei muito desses mangás, também gostei do Tower of God, To muito interessado no Orange mas não achei em portugues, se alguem achar me manda um link Ae.

  18. Sou um ouvinte antigo do podcast mas nunca comentei nada porque não conseguia pensar em algo relevante pra falar, mas essa semana o tema me interessou bastante, então não consegui resistir. Qualidade e gosto são temas muito discutidos entre as pessoas, então acredito que existam muitas opinião sobre isso. Eu penso o seguinte. Qualidade e gosto tem importâncias diferentes dependendo do contexto da análise que uma pessoa quer fazer. Quando uma pessoa faz uma crítica levar seu gosto pessoal é fora de questão, porque esse tipo de análise está avaliando a qualidade de uma obra e pra isso é necessário apontar pontos positivos e negativos da mesma sem ser imparcial devido as suas preferencias. Só que quando uma pessoa vai escolher o melhor mangá que ela já leu/ o mangá preferido dela, desconsiderar seu gosto pessoal faria a coisa toda perder o sentido, já que você não vai dizer que seu mangá preferido é um mangá de qualidade incontestável sobre briga de galinhas, mas que te enche o saco quando você lê por que o plot e os temas da história não te agradam. Você vai dizer que seu mangá favorito é o mangá sobre traficantes de metal num mundo sem recursos naturais porque ele é o que mais te agrada, sem necessariamente ter uma qualidade excepcional. Foi só um rápido comentário pra compartilhar minha opinião, boa sorte e continuem com o bom trabalho no podcast !

  19. primeiramente queria reclama com voce seu ateu pois graça a voce eu estou totalmente viciado em PUNPUN isso mesmo sua culpa nao se faça de inocente eu comecei a ler hoje de manha so ia ler o 1 capitulo mais maluco eu simplesmente devorei 6 volumes inteiros e me sinto outra pessoa e nao e a 1 vez que isso acontece foi o mesmo caso de Toriko,One piece,the music of mari,solanin entre outros eu agradeço muito e sobre o podcast eu vo ler orange pois eu nao sou assim tao fan de shouja mais eu leio kimi ni todoki e ao haru ride 2 otimos mangas (fica a dica va le Haru)

  20. Este programa não é recomendável para menores de 18 anos, então não mostre ele para os seus pais.

    realço o abismo entre qualidade e gosto por este site, manga underground, se é underground significa que não é algop mainstream, algo da galera, popular.

    No mais, continuem o otimo trabalho. e eu gostaria muito de saber a opiniao de vocês sobre os gibis coreanos, americanos e nacionais.

    inté.
    A diferença mor entre o erotismo e a pornografia é o qual explícito ele o é, ou seja, se for apenas sugerido é erotismo agora se mostrar a putaria é pornografia, mas isto não impede a ambos de terem roteiros bons e bem trabalhados, sim existe pornografia de qualidade.

    Explicando melhor, pode aparecer gente pelada por completo, pode ter insinuação de sexo, mas se não mostrar o “encaixe” é erotismo, mas a partir do momento que tiver/mostrar a penetração é pornografia, se entrar a cabecinha acabou, deixa de ser erotismo para ser pornografia.

    Sobre a Shenna é interessante que no início do século passado ouve uma grande proliferação do “subgênero” Jungle girls, e parece que o único motivo para existirem tantas ‘tarzanas’ é o apelo sexual, pois não consigo ver no mercado americano motivo para existência delas fora este, já que os EUA não possuem um contexto de expansão imperialista como ocorreu no Inglaterra.

    Sobre o lesbianismo – e um feminismo exagerado – da Mulher Maravilha existia sim, levanta a bandeira sim, pesquise sobre o criador da personagem, Charles Moulton – que por sinal era vivia com duas mulheres, que mandavam nele.

    Existem duas histórias sobre a inspiração da Drunna, há quem diz que o Serpieri encontrou com uma mulher nas ruas dalgum lugar da Itália e usou-a como molde, outra, a dita mulher da foto, seria a modelo brasileira Ana Lima, que saiu na Playboy no fins da década de 80, se vocês acharem o facebook da Ana Lima, me passem.

    Mesmo que sempre haja os mercado dos quadrinhos eróticos/pornográfico, fico meio triste pela extinção do material da Graphipar e D-arte, incluso os materiais de terror, mais por uma questão de Memória, da História dos quadrinhos nacionais, adoraria a republicação deste material, contudo acho que algumas histórias destas antigas editoras nacionais meio datadas e pouco apelativa pra galera de hoje, mas que este material não pode sumir da existencia não pode. Inclui Carlos Zefiro nesta.

    Para quem acha que a Betty Boop não é tão digamos intensa, vejam Bamboo Island, tem no youtube.

    Recomendação: falando de sexo, recomendo um livro muito bom: A Casa dos Budas Ditosos do João Ubaldo Ribeiro, sublime, extremamente divertido, algumas passagens muito engraçadas e um livro soberbamente excitante.

  21. Gostei muito da sinopse do shoujo tem alguma lugar que eu possa achar em PT ou tem so em inglês ?

    Sobre o assunto acho que a qualidade , não tem anda a ver com gosto pessoal de uma unica pessoa , mas sim de massa para uma obra ser considerada de qualidade ela tem que seguir critérios imposto por um grupo de pessoas,depois que esse grupo chegara uma conclusão a imagem da obra sera exposta, na hora de decidir mesmo que usem seus gostos pessoais, mas que agradem um GRUPO de pessoas com gosto parecido … mas acho que isso é uma bela de uma M**** mesmo que isso comande o mundo ….

    Pegue assim, tem 1 pessoa que acha aquela obra de qualidade , mas tem 99 pessoas que acham aquela obra de péssima qualidade , é um processo democrático se a maioria achou aquela obra de péssima qualidade a imagem dela sera de péssima qualidade, mesmo se outra pessoa fora do grupo dos 100 a ache de qualidade por algum motivo , a maioria que ver a obra depois ja vai receber a imagem de que ela é de péssima qualidade e vai ter um pre conceito com ela , e vai classificar ela como de péssima qualidade, ai essa pessoa que gosto ” se torna Underground ” por achar uma obra que a maioria não gosta de boa qualidade , tudo que eu falei agora e pra dizer que tudo e gosto pessoal , mas gostos iguais ou parecidos contam mais do que um gosto incomum …. SERA QUE ESTAMOS SENDO MANIPULADOS ?

    Que nem Toriko enquanto eu so estava no meio de gente que falava que ele era um lixo eu nem sentia vontade de ler, agora ouvindo vocês ja estou lendo , devagar mas estou ate o momento 😀

    Tomara que vocês consigam entender o que eu falei não sou muito bom em estruturar argumentos , se não obrigado por pelo menos lerem ….

    E naruto ta uma merda , essa guerra deveria ser o BUM!! me dexa animado mas nada não sindo nada lendo alem de um sentimento de poderia ser melhor , ta tendo mais emoção em Fairy Tail e bleach…. a e Fairy tail e incomum ele e o único manga com filler ….. >.>

    One Piece é so ALEGRIA !!!

    Obrigado pelo cast ….

  22. Realmente qualidade é algo muito subjetiva, mas não totalmente. Qualidade física de material Ex:acabamento feito pela gráfica na produção de mangás, livros etc.. é 100% objetiva.
    Debate e discussão,
    Fairy Tail não é uma obra ruim, cumpre bem seu objetivo, apesar de eu não tem a minima vontade de lê-lo, eu consigo reconhecer esse fato.
    Oo, você leram a minha mente, estava atras de um shoujo e esse Orange me interessou muito. Agora só falta o no próximo cast vocês indicarem um mistério ou terror.

  23. Olá pessoal, sou ouvinte novo e este é o segundo programa que ouço, discordo em alguns pontos sobre o termo qualidade.

    Creio que a qualidade per si seja objetiva, diferente do gosto, e o que define um artigo de alta qualidade seria a perfeição técnica, ou a tendência de ossui menos erros ossiveis. Vide o Oscar do ano anterior, Hugo Cabrett e mais legal, mas O Artista mais erfeito.

    Faça de conta que eu goste de cowboys, o que seria para min um artigo de maior qualidade: um rifle de cowboy feito por um ‘blacksmith’ ou um rifle de alta precisão feito hoje. Ora claro que vou gostar mais do de cowboy, mas o melhor, o de melhor qualidade é o de alta precisão.

    Veja o Oscar, a função dele é sempre buscar qual obra é mais perfeita, ou menos falha, e não a que eles necessariamente gostaram mais. Faz algum tempo eu vi Condusindo Miss Daisy, depois de vê-lo eu, depois de ter visto muito filme na minha vida e saber ver técnica, falhas e qualidade, posso dizer que é um filme perfeito, ou quase, mas, aí entra o gosto, eu achei chato. Assim como tem vários filmes, geralmente de ação, que são ruins, tem falha de roteiro e tudo mais, e eu adoro.

    O que tem que ocorrer é:

    1 – respeitamos o gosto alheio, se o cara gosta de Dragon Ball ou One Piece 2 (Fairy Tale) , eu respeito ele, se eu vou curti a obra aí é outra história.

    2 – cada um tem que ter a consciência de que qualidade e gosto são coisas diferentes . Eu amo CDZ, mas sei que o troço possui uma qualidade muito baixa. Assim como eu vejo algo de qualidade alta e não gosto eu tenho a cara de reconhecer isto.

    Uma frase que eu gosto de usar é: eu tenho o direito de ter mau gosto.

    O que eu quero dizer com isto, ora tem várias coisas que eu gosto que eu sei que não são coisas de alta qualidade, Gunnm de Yukito Kishiro por exemplo, e há coisas de alta qualidade que eu não gosto, acontece.

    nota – me senti provocado ao falarem que Flame of Recca é melhor que YuYU.
    nota final -desculpe pelo bizarro comentario anterior, é que nao era para aqui,mas sim para o pessoal do quadrimcast, erros ocorrem ;como digito osmeus comentarios no word e depois copio e color fiz este erro.

  24. Pingback: Acabou? O prematuro fim de Orange, de Takano Ichigo | ChuNan! - Chuva de Nanquim·

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s