Rodapé: Nurarihyon no Mago e os Youkais

Este post é o início de uma série diferente. Nessa série nova chamada “Rodapé“, pretendo fazer uma breve explanação sobre algum acontecimento, fato ou tema específico de algum mangá, de forma semelhante (porém mais completa) as notas de rodapé de um livro ou mangá. Para tal, algum trecho ou aspecto de um mangá específico será escolhido.

Neste primeiro post, o objetivo é tentar entender o motivo do sucesso do mangá Nurarihyon no Mago no Japão e da grande rejeição (ou pouca simpatia) ao mangá no ocidente e na fanbase ocidental como um todo.

Para quem não conhece, Nurarihyon no Mago (Neto do Nurarihyon, em tradução livre) é um mangá em publicação na Shonen Jump, trabalho de estreia do mangaká Hiroshi Shibashii, que escreve e desenha a obra. No mangá, acompanhamos a história de Nura Rikuo, um jovem humano que é neto do youkai Nurarihyon e portanto tem um quarto de sangue youkai. Assim, quando anoitece, Rikuo assume sua forma “noturna” de youkai. O seu avô quer transformá-lo no próximo líder do Clã Nura, uma enorme facção de youkais (no melhor estilo de máfia, com diversas “famílias”, alianças e subordinados) da qual ele é o atual líder, porém Rikuo não quer assumir tal posição. No avanço do mangá, Rikuo acaba por se entender com sua contra-parte youkai e decide assumir o posto do terceiro líder do clã, mas essa tarefa não será fácil, pois precisa conquistar o respeito de todos os outros youkais.

Embora possua um conceito relativamente diferente do padrão da Shonen Jump, uma vez que o foco da história é a jornada de Rikuo para se tornar um líder respeitado e forte, capaz de vencer as ameaças ao seu clã, acredito que o grande atrativo da série é pegar elementos culturais japonês e trazê-los para o mundo moderno, dando uma cara atrativa e jovial para um conceito usado à exaustão (youkais em mangá). Assim, ao pegar histórias e conceitos inerentes da cultura japonesa (como por exemplo, o conceito de hyakki yakou, ou o hyaku monogatari) e dar uma forma coerente, o autor conseguiu conquistar um público diferenciado, de pessoas que não compram a revista semanal, mas colecionam os volumes.

Antes de seguir adiante no raciocício, tem dois conceitos importantes de serem apresentados antes.

Afinal, o que são youkais?

Comparação dos Youkais em NuraMago e em Gazu Hyakki Yakkou

Comparação dos Youkais em NuraMago e em Gazu Hyakki Yakkou

De forma simples e direta, youkai é um termo genérico para qualquer criatura sobrenatural do folclore japonês. Muito se confunde ao afirmar-se que youkais na verdade são demônios e maus, mas essa afirmação é errada; na cultura japonesa, embora exista o conceito de bem e de mal, é difícil classificar uma criatura (ou mesmo pessoas) numa dessas categorias de forma completamente correta. Há muito mais envolvido na formação de uma personalidade ou comportamento do que apenas maldade e bondade; a honra e o instinto (no caso de animais ou youkais) são exemplos de fatores que tornam impossível classificar algo como essencialmente bom ou essencialmente mau.

Assim, youkais não necessariamente são demônios. Existem diversas subdivisões e nomes específicos para separar os youkais em categorias, e algumas dessas subdivisões dizem respeito a criaturas más (youma, majin, akuryou…), mas a conclusão é: youkai pode ser qualquer coisa sobrenatural, boa ou má.

Existem diversos tipos de youkais no que diz respeito às características e/ou origem deles. Desde youkais que são humanos degenerados, até objetos que ganharam vida; as características vão depender da história que deu origem à eles. Mas embora grande parte dos youkais tenha origem realmente folclórica e em lendas antigas, muitos foram artificialmente” criados por escritores e pintores ao longo da história, sendo o exemplo mais famoso os youkais criados por Toriyama Sekien. Um fato interessante: os japoneses atualmente atribuem ao youkai Nurarihyon diversas características que não existiam no youkai original das lendas. A figura que conhecemos das pinturas como um velho baixo, com uma cabeça alongada que invade as casas das pessoas quando elas saem e que é o líder dos youkais, na verdade foi surgindo aos poucos, através de vários artistas que foram acrescentando essas características, partindo da imagem concebida por Toriyama Sekien em 1776. Essa imagem não tem absolutamente nada a ver com nurarihyon original do folclore, que era uma criatura marítima.

Historicamente, a representação de youkais acompanha toda a história da arte japonesa, tendo suas primeiras ilustrações no formato Ukiyo-e (pinturas em blocos de madeira), passando pela representação em emaki (rolo de papel) até chegar nos livros ilustrados. Aliás, como curiosidade, a cidade onde passasse o mangá de Nurarihyon no Mago chama-se Ukiyoe, e não é por coincidência.

Hyakki Yakou

Exemplo de Hyakki Yakou

Exemplo de Hyakki Yakou

Outro conceito importante para entender sobre a mitologia envolvida em Nurarihyon no Mago, é o termo Hyakki Yakou. Em tradução livre, Hyakki Yakou é a “Passeata Noturna dos 100 Demônios“. Dizem as lendas que, todo ano, em noites de verão, youkais saem às ruas em festa e todos aqueles que cruzam o seu caminho são mortos. A história se originou com um padre que acreditava ter visto uma Hyakki Yakou numa noite chuvosa, e cujo relato chegou aos ouvidos do artista Tosa Mitsunobu, que criou a primeira ilustração de Hyakki Yakou; posteriormente, a criação de imagens nesse tema se tornaria quase uma moda na época. Até hoje, existem diversas representações de hyakki yakous, mas a mais famosa e mais importante delas é 1776 , que é a compilação de Toriyama Sekien (citado acima) chamada Gazu Hyakki Yakou, composto por quatro livros de três volumes cada, no qual ele lista, de forma semelhante à que existiam em livros de catalogação de animais, mais de 200 youkais, dos quais aproximadamente 80 são invenções dele ou de outros artistas.

Em Nurarihyon no Mago, Hiakki Yakou é o nome dado aos youkais que seguem atrás de um determinado líder. Os amigos e servos de Nura Rikuo fazem parte do seu Hiakki Yakou. Em teoria, quanto mais youkais tiver, mais forte será seu líder, e portanto a busca por fortalecer o clã atraindo novos youkais é algo recorrente na série.

Abe no Seimei, Sanmoto, Hyakumonogatari, infinitas referências

Abe no Seimei

Abe no Seimei

Só pra comentar de passagem, há muito mais referências folclóricas em Nurarihyon no Mago além de simplesmente youkais. Uma delas é existência do Sanmoto Gorouzaemon, um dos antagonistas numa parte do mangá, que é originalmente um personagem de um conto antigo (conto este que envolve também o Martelo de Maou, também referenciado em Mago). No mangá, Sanmoto está por trás do clã Hyaku Monogatari, cuja tradução literal é Cem Histórias. Esse clã tem a capacidade de, através de histórias inventadas por eles, “criaryoukais através da crença do povo, conforme a história se populariza. Esta é uma clara referência ao jogo japonês Hyakumonogatari Kaidankai, no qual várias pessoas se juntavam numa sala escura com cem velas acesas e a cada história de terror contada, uma vela era apagada. Acredita-se que, ao apagar-se a última vela, uma entidade sobrenatural aparecerá. Novamente, em Mago há uma analogia à essa crença quando (spoiler leve de NuraMago, selecione pra ler)Sanmoto, no flashback de Rihan (pai de Rikuo), conta sua centésima história, virando um youkai no processo(Fim do Spoiler).
Outra referência feita em mago é ao Abe no Seimei, um onmyouji e uma figura histórica aparentemente real. Porém sua história é cercada de lendas, sendo uma delas a de que ele é filho de um humano com uma youkai kitsune (espírito raposa), referência parcialmente mantida na obra de Shibashii.

Finalmente, Nurarihyon no Mago

E após vermos a quantidade de referências e carga histórica e folclórica envolvida em NuraMago, é possível imaginar um pouco o motivo do seu grande sucesso nipônico.

Hyakki Yakou em Mago

Hyakki Yakou em Mago

O grande trunfo do Shibashii foi pegar todas essas questões culturais: o folclore, os tipos de youkais, o Hyakki Yakou, o “medo” causado pelos youkais, os personagens históricos, as referências infantis e, principalmente, o estilo de arte clássica de representação de youkais tanto em Ukiyo-e como em emaki, juntar tudo isso numa trama envolvendo um submundo de monstros e muita ação e lutas. Todas as referências citadas tem um apelo grande com leitores mais velhos, que em suas infâncias ouviam muito sobre todas as lendas youkais e em NuraMago puderam encontrar todas essas referências sendo exploradas.

Normalmente o que vemos em algumas outras obras que utilizam-se do termo “youkai”, como InuYasha e Kekkaishi, são criaturas apenas nomeadas de youkais, mas que não se atentando à “veracidade” (o quanto se pode ser verídico com algo folclórico? Enfim…) dos mesmos, possivelmente buscando liberdade de criação. Isso acaba afastando um pouco as pessoas das lendas originais de suas infâncias, enquanto NuraMago, assim como diversas outras obras antes dele, como Jigoku Sensei Nube e GeGeGe no Kitaro, abraça essas lendas e consegue incluir suas criações e estilo dentro das lendas. Um exemplo disso são os youkais criados pelo clã Hyaku Monogatari, que são em sua maioria autorais do Shibashii, mas ainda assim tem um background de serem histórias de terror que podem ser contadas no jogo do Hyakumonogatari.

Outro mérito grande do autor é na concepção da arte do mangá. Juntando com o seu traço típico que é bem próximo do esperado de séries da Shonen Jump, o autor, em momentos estratégicos, utiliza-se de técnicas semelhante ao que vemos nos pergaminhos antigos com ilustrações de youkais. Isso resulta numa arte que mistura o moderno com o clássico, e tornando-o um dos traços mais característicos e belos em publicação na Shonen Jump.


Assim, todas essas referências culturais são uma possível (e plausível) explicação para o fenômeno do sucesso japonês. Há um apelo ao público jovem e velho que vê na série todas as lendas que eles conhecem, sendo aqui transformadas em algo moderno, atrativo, com cenas de ação (coisa muito procurada em shonens) e arte bela. Assim, não é de se estranhar que leitores mais velhos que não compram a Shonen Jump mas que possuem lembranças desse folclore vão atrás de comprar os volumes encadernados da série, ocasionando num número de vendas que não condiz com a posição do mangá na revista (que sempre beira as últimas posições).

E isso explica também a recepção mais modesta que ocorre no ocidente, uma vez que não estamos familiarizados com todas essas minúcias do folclore japonês. Claro, não é necessário ter esses conhecimentos para poder apreciar a série, porém ao tirar-se todos esses elementos citados no texto, o mangá vira apenas mais uma série de ação na Shonen Jump, e sabemos que de séries assim a revista e o mercado japonês estão cheios.

Agora vejam bem, não estou afirmando que a série é boa por causa dessas questões, tampouco dizendo que ela é a melhor série de youkais que já vi ou que ela é perfeita, a questão aqui não é essa, não envolve gosto. O foco aqui é tentar determinar a possível causa do sucesso no Japão, e tais fatores apresentados neste texto tornam possível nos colocarmos, ainda que de forma muito pequena, no lugar dos japoneses e perceber um pouco do que eles vêem de tão atrativo na série.na série.

Pra finalizar, duas artes do autor inspiradas nas artes antigas (clique nas imagens para ampliar).

Por Guilherme “Estranho”

8 Respostas para “Rodapé: Nurarihyon no Mago e os Youkais

  1. mto boa a matéria!
    mas os jovens japoneses estão mais interessados em outras culturas como a americana e então acabam desprezandoseus proprio folclore(bem como nós brasileiros fazemos),gegege no kintaro ganhou prêmios justamente por ter revitalizado os youkais japoneses certo? então acho que nuramago acaba sofrendo rejeição dentro da jump por causa dos proprios jovens japoneses que não se interessam por youkais,agradando mais aos adultos que não leem a revista

  2. Li recentemente Mago, e a série me encantou. Gosto muito da história e da arte, Mago acabou se tornando uma das minhas séries favoritas atualmente na Jump.
    Quanto às suas posições na TOC, o que me preocupa é o possível risco de cancelamento, já que não sabemos até quando o fato da série vencder bem “segurará” as pontas.
    Mas torço de verdade para que a série continue, porém, torço mais ainda para que não se prolongue demais, já que parece que está chegando ao fim.
    Ótimo texto, espero que o pessoal se interesse por Mago. xD

  3. Muita cultura desconhecida para mim.
    Foi um bom timing eu ter deixado para ler NuraMago só por agora, pois já leu alinhado as referências culturais aqui ditas

    Bom texto.

    • Bem provável que sim. A ideia provavelmente é fazer uma imagem longa como um pergaminho antigo.
      A única “discrepância” é que existem vários humanos nas capas, mas isso é o de menos.

  4. O motivo de eu ter assistido o anime e ter começado a colecionar foi justamente essa pegada folclórica tradicional sobre youkais, que eu me interessei por já ter assistido anteriormente outros animes do genero, uma das coisas que me agradou foi essa do Shibashii ter misturado seu traço com os dos pergaminhos antigos, já que eu procurava animes com historias essencialmente youkai

  5. Pingback: Top 5-1 – Adaptações para Mangás | Ao Quadrado²·

  6. Pingback: Rodapé: Yokokuhan e a Internet | Ao Quadrado ²·

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s