Top 5-1 – Séries canceladas da Shonen Jump

Top 5-1 - Séries Canceladas da Shonen JumpBom, pra começar, é preciso determinar que existem vários tipos de séries canceladas, mas podemos dividí-las em dois grupos principais: as que falharam logo no começo, e as que se alongaram por relativo bastante tempo até um cancelamento futuro.

No segundo grupo, existem séries como Psyren, Mx0, P2! – Let’s Play Ping-Pong, Seikimatsu Leader-den Takeshi!, entre outros, que tem uma extensão média ou longa, mas que possuem finais “corridos” por terem sido canceladas.

O Top 5-1 que faço aqui é para escolher os 5 melhores títulos (e o pior título) deste primeiro grupo especificamente. São séries que foram canceladas ainda jovens, e que tem extensão máxima de (escolhi um número arbitrário) 4 volumes.


5ª Posição – Asklepios (Tooru Uchimizu, 3 volumes)

Asklepios

O Uchimizu deve ser uma pessoa frustrada. Asklepios foi nada menos que sua terceira série cancelada na Shonen Jump (de 3 tentativas). A história acompanha Buzz Medill Asclepius, que vem de uma linhagem de médicos com um poder mágico de identificar o problema de um paciente só de tocá-lo. O problema é que Buzz vive num mundo medieval, onde a igreja é predominante e considera a medicina (que corta os corpos das pessoas) uma heresia. A missão de Buzz é, com o auxílio de sua protetora e enfermeira Rosary, ajudar pessoas o suficiente para suas assinaturas preencherem um livro herdado pelo pai, enquanto tenta sobreviver à perseguição dos membros da Igreja.

Olha, quando li pela primeira vez, eu achei a série apenas mediana. Mas com o tempo, conhecendo mais séries, eu preciso reconhecer a coragem do autor de lançar uma série médica com quase nada de ação na Shonen Jump. Embora alguns procedimentos médicos sejam muito simplificados pra não chocar ou complicar muito pros adolescente, a premissa e a execução da história são boas. Quando houve queda de popularidade, o autor apostou num pequeno plot twist que conseguiu ao menos dar, senão uma sobre-vida à série, um gás para a reta final do mangá. É uma leitura muito interessante e vale pra conhecer uma obra “diferente” na Jump.


4ª Posição – Kiben Gakuha, Yotsuya-senpai no Kaidan (Haruichi Furudate, 3 volumes)
Yotsuya
Uma série relativamente recente, Yotsuya foi, para mim, uma boa leitura. Série originada de um one-shot interessante (onde a diferença principal era que o personagem principal era um professor, e não um aluno), ela conta a história do lendário aluno Yotsuya, temido pela escola toda, que quase nunca aparece na sala de aula (na maioria do tempo está na cobertura da escola), e é conhecido por criar e espalhar histórias de horror entre os alunos. E dizem que ele pode ajudar qualquer um com problemas “sobrenaturais”, se você servi-lo com uma boa história de horror.

“Resolver mistérios com histórias de horror” parece uma premissa sem nexo, mas a execução de Yotsuya é muito boa, e o clima de história de horror tem vários momentos bons ao longo da série, com algumas páginas bastante sinistras. Sua característica episódica permitiu a série encerrar-se sem muitos “danos” à história. É outra boa leitura para quem quer ver como é um “horror” na Shonen Jump (mais dark que isso você não achará hoje em dia).


3ª Posição – Sakuratetsu Taiwahen (Ryu Fujisaki, 2 volumes)
Sakuratetsu
Sakuratetsu não faz sentido algum.

Uma obra de um dos meus mangakás preferidos, Sakuratetsu é um mangá de comédia no qual o personagem título tem sua casa invadida (no primeiro capítulo) por piratas do espaço, viajantes do futuro e um reino subterrâneo, todos ao mesmo tempo reivindicando o terreno “especial” da casa de Tetsu.

Essas três invasões são só a primeira de muitas invasões malucas que ocorrem a cada capítulo. Aliás, os capítulos chamam “A Invasão de…”, sempre apresentando uma nova invasão. Do presidente do Japão, passando por príncipe demônio… até a Deusa do Cu. Sim, a Deusa do Cu! Não precisa falar mais nada, né? Pra quem gosta de comédia non-sense, é um prato cheio!


2ª Posição – Hatsukoi Limited (Mizuki Kawashita, 4 volumes)
Hatsukoi
O monstruosamente gigante Misao Zaitsu se apaixonou por Ayumi, que gosta de Mamoru, irmão mais novo de Misao, que é apaixonado pela sua vizinha Misaki, dois anos mais velha; Misaki, por sua vez, não quer saber de relacionamento.
Parece uma sinopse de Malhação, mas essa história curta de romance da Kawashita é justamente o que parece: uma teia amorosa. Personagens diversos que interagem-se de várias formas, contando diversas histórias de “primeiro amor” (hatsukoi, sacou?). Com um nível aceitável de fanservice (não tão escancarado como é de praxe da autora), Hatsukoi teve uma curta e brilhante vida. Também por ser episódico como Yotsuya, pode ser encerrado de maneira relativamente satisfatória. A história é tão boa que ganhou até um anime (tá, na verdade isso não significa nada, tem tanta merda com anime…).

Vale a pena ver um romance não tão óbvio, como é comum na Jump.


1ª Posição – Hoop Men (Kawaguchi Yukinori, 2 volumes)
Hoopmen
Um aluno americano é transferido pra uma escola japonesa, e o único cara que consegue falar inglês na escola toda é convocado pela treinadora do time de basquete (uma gatinha, claro) pra servir de intérprete para o tal aluno, até o americano aprender a língua local. Claro, o americano é um ótimo jogador de basquete e logo se torna o astro do time de basquete. E assim Yuuho (o intérprete) começa do zero a aprender basquete, e cria uma nova amizade com Josh (o americano).

Pode parecer uma premissa de um mangá padrão de esportes, mas Hoop Men consegue surpreender em sua simplicidade. Se focando menos no esporte em si e mais nos personagens, e no crescimento do protagonista, o autor mostra uma influência forte do Mitsuru Adachi (autor de Touch e Cross Game, entre muitos outros). O passo da história é envolvente, e o final, embora deixe um gostinho de “quero mais“, é um dos melhores executados por um autor prestes a ser cancelado.

Eu lamento por tudo aquilo que Hoop Men poderia ter sido mas não pode ser, mas fico feliz de uma série tão legal ter surgido na Shonen Jump numa época de escassez de mangás bons de esportes.



Posição -1 – Blue Dragon Ral Grad (Tsuneo Takano/Takeshi Obata, 4 volumes)

BlueDragon

Para a posição -1, a posição que representa o pior dos piores dentre o tema escolhido no Top, resolvi escolher a única série que desisti de comprar a versão brasileiras somente por ser RUIM.

Facilmente o pior mangá que o Obata colocou a mão, Blue Dragon tem uma premissa legal (seres humanos possuídos por “sombras” com poderes especiais), mas a execução é péssima. O foco excessivo em peitos torna a história algo raso e fraco. O protagonista não convence e as cenas de ação não são das melhores, além de ter um traço bastante confuso em algumas partes.

Por favor, não leiam, sério. É revoltantemente ruim. Se há uma série que merecia ser cancelada, essa era Blue Dragon Ral Grad.

E aí, galera, concordam com minha lista? Discordam?

15 Respostas para “Top 5-1 – Séries canceladas da Shonen Jump

  1. Antes de mais nada, amei o conceito do Top 5-1.

    Dito isso, fanboys do Naoshi (eu incluso) choram com esse post. Engraçado que eu acho que meu Top 5 seria exatamente esse, mas com DArts no lugar de Hoop Men.

    • Olha, eu vou ser sincero: gosto muito de Double Arts, mas eu vejo que a série tem mais POTENCIAL do que uma história boa em si.
      Tentei julgar aqui o que foi mostrado em cada série. Double Arts causa enorme saudosismo mais por aquilo que ele poderia ser, e não tanto por o que ele foi.

  2. Eu tiraria Askepios e Hatsukoi e colocaria Akaboshi e Oumagadoki. E Double Arts em primeiro, sem sombra de dúvidas. Hoop quem?

  3. Também tiraria Asklepios e colocaria Akaboshi no lugar desse Top 5. Oumagadoki eu acho que não colocaria. Mesmo ela sendo uma série boa, ela não me fisgou tão forte quanto Akaboshi ou Double Arts, que eu também jogaria no meu Top 5. (Acho que tiraria Hoop Men. daí, ou então Hatsukoi Limited.)

  4. Gostei muito do post.
    Eu não li nenhuma dessas citadas aí, mas eu ia pedir os 4 volumes brasileiros de Ral Grad.
    Estou com medo de se arrepender, mas vale a pena tentar :l

  5. Se não me engano, OumaZoo foi finalizado com 5 volumes, daí um motivo para sua ausência na lista.
    No mais, também senti falta de Akaboshi e Double Arts.
    Destaque para a posição de Hatsukoi Limited, que ficou numa boa posição, e é um ótimo mangá (Bons tempos da Kawashita). xD

    E Blue Dragon é um lixo “cocozento”. hahaha

  6. Primeiro, como você quer me convencer a não ler Blue Dragon falando sobre o “foco excessivo em peitos”? Hehehe…
    Vou dar uma conferida em algumas das séries. Na verdade, já estou baixando Sakuratetsu Taiwahen, da qual você já me falou tanto e sempre me fazendo rir e pensar “tenha que ler isso”. Vale apontar, que estou baixando pela Quadradim! Também fiquei me deu vontade de ler Hatsukoi Limited. E tem por lá, também… quer saber, vou ler tudo da Quadradim e pronto.
    Gostei bastante do Top 5-1, principalmente do conceito. Sendo original em um tipo de post tão comum. Está de parabéns. Abraços e continue com o ótimo trabalho!

  7. Alemão, leia AKABOSHI!!!!
    E também entre no time (Moko e eu) dos orfãos dessa série tão linda, foda, épica, etc e tal.
    Tem lá na Quadradim. 24 capítulos de pura fodacidade… cancelada.

    Espero nunca topar com os editores responsáveis pelo cancelamento da Obra quando eu for ao Japão, um dia.

  8. eu achei que sakuratetsu tinha sido uma série curta mesmo, foi essa a sensação que tive ao terminar de ler e não de que tinha lido uma série cancelada. no meu top 5 eu colocaria sakuratetsu e yotsuya também, além de chagecha e ikkyu. no primeiro lugar oumagadoki, com certeza. sei que teve 5 volumes mas não poderia deixar de fora. além de ser o mangá cancelado que eu mais gostei, é também um dos melhores mangás da jump que já li.
    assim como todo mundo gostei de double arts, mas não chega a ser top 5 pra mim.
    teve algumas séries que acompanhei só pelas raws, mas mesmo assim achei muito divertido, como grimm, neko wappa e rilienthal. mas como não sei japonês não pude aproveitá-las 100%.
    tenho muita vontade de ler outras séries canceladas da época de sakuratetsu ou até mais antigas, deve ter muita coisa maneira que ficou perdida e a gente não faz ideia. pena não ter raws, muito menos scanlations.
    das séries canceladas que li até o final só não gostei de swot e akaboshi.
    organizando as séries, meu top 5-1 ficaria assim:
    1° oumagadoki
    2° ikkyu
    3° yotsuya
    4° chagecha
    5° sakuratetsu
    -1 swot
    não que eu ache swot a pior série cancelada, até porque eu consegui ler até o final. teve outras ainda piores que eu não consegui chegar nem no capítulo 5. =B

  9. blue dragon tem um primeiro capitulo muito bom,e depois desgringola forte! a impressão que dá eh que quem fez o roteiro morreu e colocaram o filho de 7 anos no lugar

  10. Eu colocaria o Akaboshi em primeiro, facilmente. Do 2º pro 5º eu pensaria, mas Hatsukoi Limited e Yotsuya também estariam nessa lista.

  11. Amei esse top 5. lol

    Hoop Men e Hatsukoi seriam meus dois primeiros colocados também, mas eu inverteria as posições. Akaboshi entraria em terceiro, Yotsuya ficaria onde está e Double Arts seria o quinto.

    Ah, e Blue Dragon é uma porqueira mesmo, mas pior mangá cancelado de todos os tempos? Tá de palhaçada, véio? KAGIJIN EXISTE

    -Jal, usando o perfil da QS

  12. Pingback: Primavera de 2012: Kuroko no Basket | Ao Quadrado²·

  13. Pingback: Primavera de 2014: Haikyuu!! | AoQuadrado²·

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s