Entendendo: Table of Contents Parte 1 – Shonen Jump


Você conhece a Shonen Jump? Você sabe o que é e como funciona a Table of Contents? Você tem certeza?
Este post pretende apenas repetir o que muita gente deve conhecer (ou acha que conhece), e explicar minuciosamente o funcionamento da nossa querida antologia Shonen Jump.

(Como ficou muito extenso, ele será dividido em partes. E esta, obviamente, é a primeira parte.)

Weekly Shonen Jump

A Weekly Shonen Jump é a antologia semanal shonen da editora Shueisha, publicada quase toda segunda-feira no Japão. Atualmente é a revista de mangás com a maior circulação do Japão. E quando eu digo isso, estou falando de quase 3 milhões de volumes percorrendo todo o país toda a semana (na verdade, são exatas 2.876.549 cópias por semana no ano de 2010). Isso é mais de 1 milhão à frente da segunda colocada, a Weekly Shonen Magazine, da Kodansha (1.571.063 cópias/2010), e bem maior que a circulação das maiores antologias shoujo, seinen e josei.

O podcast do blog chama-se Table of Cast, que é uma analogia ao termo Table of Contents. Uma Table of Contents, ou ToC, nada mais é do que o índice da revista, dizendo em que página cada série inicia-se. Mas na Weekly Shonen Jump, esse índice representa muito mais do que isso. E é o que vamos tentar explicar aqui.

Cartão de Votação Antigo

Cartão de Votação antigo

Popularidade

Sabe aqueles canais de TV americanos que estréiam vários seriados e, ao longo tempo, alguns são cancelados por falta de audiência enquanto outros, mais populares, tem seus contratos renovados pra mais uma temporada? O mesmo ocorre com as séries da Shonen Jump; as mais populares continuam na revista, e as menos populares são eliminadas pra dar lugar a novas séries que tentarão ser populares também. E a popularidade é determinada por votação dos leitores.

Em toda edição da revista Shonen Jump, vem um cartão para votação. Os leitores preenchem o cartão com seus dados (principalmente sexo e idade, pra definir melhor o público da revista e ajudar a dar peso para os votos, uma vez que o voto dos meninos é mais relevante pra revista que o de meninas e adultos) e escolhem as 3 séries que mais gostaram naquela edição. Esses cartões são enviados pelo serviço de correios para a Shueisha (sim, método primitivo), onde os votos são contabilizados para determinar a popularidade dos mangás.

Cartão de Votação em Bakuman

Cartão de Votação em Bakuman

O que nós vemos nas Table of Contents são reflexos dessas votações; mas não é só isso. Ao que é dito, o editor chefe que escolhe as posições, normalmente baseados nas votações, mas outros fatores podem influenciar; uma série com anúncio de anime, por exemplo, costuma aparecer mais em “destaque” por umas semanas, mesmo que nas outras semanas tenha ido mal nas votações. Embora não haja como provar essa informação, ela é observável ao se acompanhar as ToCs por bastante tempo.
Outro ponto onde há um dedo editorial é na posição de séries “café-com-leite”, que ainda são muito novas para serem consideradas na votação, pois há uma demora para o recebimento e contagem dos cartões. Por terem essa característica, acredita-se que essas séries recém-estreadas são colocadas em posições determinadas pelo editor nas suas primeiras 8 semanas. Mas só acredita-se.

Lendárias “8 Semanas”

Como dito, anteriormente, as posições na Table of Contents levam em conta as votações. Mas sabemos que serviços de correspondências nem sempre entregam rapidamente (no Brasil principalmente), e além disso, um leitor pode por exemplo enviar seu cartão no dia anterior à publicação de uma edição da semana seguinte. Assim sendo, não tem como a ToC desta semana já refletir as votações da semana passada, pois nem todos os votos foram recebidos ou mesmo contabilizados. Portanto, é um consenso que há um período de algumas semanas entre a publicação de um capítulo e o reflexo do seu ranking na revista. E aí começam as lendas.
Há tempos imemoriais, alguém (que hoje em dia ninguém sabe identificar) que se auto-proclamou insider da editora Shueisha publicou no fórum japonês 2ch que esse período era de 8 semanas. E isso é até hoje aceito pela grande maioria das pessoas, que consideram o lendário período de 8 semanas quase como uma ciência.
Mas fato é que nada é provado. Inclusive, existem duas linhas de interpretações para o cálculo das “8 semanas”: alguns consideram o número do capítulo atual menos 8 (exemplo: na edição que saiu o capítulo 508 de One Piece, o ranking é do capítulo 500). Outros, contam 8 semanas, incluindo a semana atual; ou seja, número do capítulo atual menos 7 (no mesmo exemplo anterior, seria o ranking do capítulo 501).

Uma "Table of Contents"

Uma “Table of Contents”

Como disse, isso não é uma ciência, e pode levar a certas interpretações erradas das situações. Que o ranking existe, é fato observável; séries que ficam muito tempo no final da revista são canceladas, independente de ter feito sucesso ou não no passado. Mas a “regra das 8 semanas” não é observável. Quem defende a tal regra, diz que normalmente é na oitava semana que séries novas que não fizeram sucesso começam a cair no ranking, mas essa informação não se sustenta; muitas séries já começaram a cair no ranking com 6 semanas de publicação. Outros dizem que conseguem identificar alterações nas posições baseados em acontecimentos no mangá de 8 semanas atrás, mas isso é subjetivo demais para ser considerado.

A minha sugestão pessoal: considere que o capítulo que está sendo classificado naquela edição equivale a MAIS OU MENOS 8 semanas atrás. É menos perigoso e mais lógico. Portanto, não tente considerar um capítulo só na sua análise das Table of Contents; analise o contexto do mangá nos capítulos por volta de 8 semanas atrás.

(Este foi primeiro post dedicado ao esclarecimento do funcionamento das Table of Contents. Aguarde o próximo que explicará as exceções das ToCs na Shonen Jump, e onde e quando encontrar as ToCs.)

6 Respostas para “Entendendo: Table of Contents Parte 1 – Shonen Jump

  1. A galera lá da comunidade do orkut precisa ler esse post. Ficou muito bem explicado. Melhor do que no tópico de regras que lá está.

  2. Muito interessante a explicação. Bastante elucidativa. No entanto, pelo visto não há muito o que se comentar, já que há apenas um comentário para o post, além do meu.

    Enfim, está aí uma antologia que realmente aposta no que (a maioria d)os leitores querem. O problema é que essa política pode ser um tiro no pé, vez ou outra. Claro que é difícil, mas não pode ocorrer da revista ter apenas séries boas ou que estão caminhando para um bom caminho e acabar chutando algumas delas para fora para colocar algumas nem tão boas assim?

  3. Pingback: Razões de uma obra decair com o tempo «·

  4. Pingback: Entendendo: Antologias Shonen Semanais – Parte 1 | Ao Quadrado²·

  5. Pingback: Entendendo: Table of Contents Parte 2 – Exceções e Datas | Ao Quadrado²·

  6. Pingback: Primavera de 2013: Shingeki No Kyojin | Ao Quadrado ²·

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s